24 abril 2015

NAZARÉ LUBRIFICA REABRE AS PORTAS


Atão suas kabras maxas? Têm andade a inguelilas ó não? Ó pexó tira ó pexó tira? Xke já tirem belhetes nas vintoinhas e tude! Na ké saber nem m'intressa. Dendes ke se lavem pre baxe tude bem.

Andava mêa praia a pinsar k'erem todes pais da criança da pikena da Pardanêra mas afinal já incontrarem a criatura. Despois de fazerem izames a mê ri de lête incontrarem o triste. Tá safe. Deus kêra ca criança na vanha k'mós gates demuntes pais, tôdes imberregades e mal injórkades..
E pe falar in tristes. E akeles dois na têm vargonha? Ma même sére as menhés não lhes metem o dêde pa verem a pôca vargonha ke têm fête ós intrefólhes. Xkandem tôdes assades. Nunca se viu uma terra assim. Agente sabe késta terra linda k'mó sol tem fama de ter grandes cocózinhes mas assim eu nunca vi. Akeles cêsses devem parcer as bôcas das benecras insseflaveis.
Oiçam cá! Desserem-me na praça. Até digue kem foi. Foi a tonta. A mãe da pikena cazada ku tonte ke me disse ka filha dela vai ótra vez pá cambra. É verdade criaturas do munde?? Atão afinal ganhô ótra vez a xeminé?? É obra! E teve o descaramente de dezer ke kuantes más vierem pá rua más vão pó tribenal ca filha. X'katé os papés dos rabeçades atirem pó xão só pa fazer inxamardê. Já virem iste?
 Kerem ver cus do tribenal tamém forem servides pu service persenalizade dakele pôve?
Atão sende assim vai voltar a abrir a impresa Lubrifika. Xe ke dantes até trabalhavem bem mas despois fexô mas agora pus vistes é p'ábrir ótra vez. Mas será ca kabra maxa s'óguenta? É ke dantes só atendia o kabeçude kuande tinha ordem dir às Caldas. Agora ke já na tem tssã tssã é capaz de dar descanse às pikenas.
Xkaté a Mamadora o dexô. Xke arranjô um cazamente kun pikenezinhe má nevinhe. O ke vale é ke vai à xtrêa.
Tanhe de mir imóra. Fikem pá i. A nha kenhada tem o ómem imbarkáde e tanhe de ser eu a arranjar os canes do bidé. Na liguem a contes e dites. u mê irmão tratasse dos canes ke tem in caza, não era pecize lá ir eu. É ké pecize lá ir tôdes dias dezintepir akile.
O mê irmão kuande vier nem vai kenhecer a canalização do ré de xão. Se na tiver uze apedresse. E tem ke s'abrir as ternêras pa dexar kerrer. Kó senão ganha zebre.
Dexem-se tar paí. E agarrem a torta da mamadora. O cazamente póde ser más um ingane. Mas a torta cómesse sempre. Kemida pe kemida ó mêmes matasse a fóme.
Adeus à lirantas e libartinas.
Á da guarda à destruidoras de fertunas.
Olhem as constepações e na se desfassem do oire tôde, kó senão morrem à feminha.
E se virem o Sante Intrude Cabeçude no medêle na lhe deem impertança. Facem de conta ké um pobrezinhe e comprem-lhe um papasseke. Áde ficar tôde têze. Respêtem os tontinhes. Tá bem? Na se metem com ninguém Kabras Maxas!

31 janeiro 2015

MARXA ALBORKES 2015

 
 
 
Tanhe a sarda xê da arêa
De xfregar nu avental
Apanhê sida câ fêa
Vou xpurtar pó Carnaval.
 
Á prigózes inliadêres
O ke têm fête á xótinha?
Só lá vão com compremides?
Má vale dár isse ó cão com tinha.
 
 
Arrebates pus artêlhes
Trolitadas pus kelhões
Pau pas costas ind'éra pôke
Sua camáda de ladrões.
 
Ózebêras arrombadas
 Em xkerssões ó bataclã
Á Kikas só se dá latadas
E as pikenas?
 Ficarem kus bêces c'mó ma remã.
 
Ingátes na desketeca, estalance no molhe norte
Kés imprêgue krida filha? Despe isse e faz-te à sorte.
 
Era assim k'acontecia ca códrilha do Xótinha
Tá tude xê de doenças só faltô a xcarlatina
 
Calcetêres despedides e impretêres na xparréla
Cabeçudes só amarrádes á pedra da Panela
 
Forem córnes amansades com notas nu avintal
Hoje já tão bem sarrades e us beçes delas c'mó panal.
  
Naftalina mata à traça
Aterdôa o Raul
Cazas, carres e tranêras,
tude págue com sáke azul
E kem viu?
 
O T' Zé e o Pépsse!
 
Má ninguém á ó!
 
 
Pó ane á mais seus kabras maxas!
Ninguém faz uma muzikinha ó prime meus amores?
Olhem ke mó criádes...
 
 


14 janeiro 2015

SÓ SE NA SE VÊ OS FARELHÕES. TÁ LÁ TUDE ATAKES CEBRAIS!


Atão seus aziles inxamardiádes? Inda na tão todes prezes seus mamadores! Xulas! Kabras Maxas!
Ma même sére ninguém os prende ó? Mazu ké ke falta? É pecize gritar à da guarda? É obra!
Anda tude injuáde não anda? O Mamador e a companha dele anda toda kietinha. Só abrem a bôca pa falá d' inxamardês. Mas só eu é ke kere saber o ke fizerem ó denhêre même sére? X'katé há uma impreza a kem na se deve nada cá vê bexcar cadêras e retrates!! Berraxinhes pa cara só o Kim é ke os kria. Levassem mazera o retrate do Inxamardiáde e da Inguelidora d'inguias maxinhas kesses é k'adeviem detar na montra da Praça nos perdides e axádes. Moinantas!
Atão é assim? O Inxamardiáde aparece, côme se na fosse nada com ele, e ele é ke tem razão ó? Mãozinha!!! Atão mãozinha??? Ninguém prende esse monte de xterke?
X'kandarem a xconder denhêr ke na vem nas contas e ninguém faz nada? Só o ilhós é ke foi preze pur andar no pardão em cirôlhas? É obra!
E os faxistas kemenistas na dizem nada? Devem tar na medança da pena...
Deve ser precóza do ingenhêre dos barbigões ke pus vistes tem razão precóza da keda do mure da vargonha. Pus vistes na podem falar preke o faxista kemenista xk'andô a mamar fertunas no restórante com um no Canadá e ôtre no Ógarve. É obra! Kemiem tôdes dias na praia á ó!! Só se mandavem o kemer num taparué pu cartêre!!
Posse pedir ó sô peliça pa prender o amigue inxamardiáde? Faxavor vá lá! Su Sócras vai preze na praia tem d'ir tude na rabana.
Só peçe ó senhor e às almas santíssimas ke do próxime recorde da onda vá tude pu mar abáxe. Tude! Ma même tude! Havera de naxer lapas no miradôre da Pardanêra, tal havera de ser a leva de mar à pinoca.
Não há mê.
Se for pecize eu impreste a rapa pa irem ós farelhões rapar o k'inda sebrô despois de comprar as cazas e os carres. Se fô pecize diguem seus bezêrres.