12 novembro 2014

Cagalhões áboiar na frente do mar até rima com Zé Flár (E na tem nada áver ó fará se tivesse)


Atão coisas impertantes viradas ó má tempe? Tude k'mós postes da luz? A saudinha é u ke deus ker né?
Xe ku fedor tá acamáde? É assim atão? Nunca más arranjem o jgôte? Xke na se pedia parár ku xêre ó pé da rampa d'Avenida cu fedor!
Já me desserem ke já passô, mas xke foi uma pôca vargonha este demingue. Na sabem de nada poi não? Façe idéa! Dias intêres a descascar castanhas e só s'alevantem párriar o calhau. Á langonhas! Xulas! Kabras Maxas! Despois na kerem kus cagalhões andem áboiar pa frente do mar á moinantas. Xkerem às mãos xêas os cagalhões na frente do mar. Uma pôca vargonha! Tante pôve ke vem cá ver o mácara e comprar uns tremeçinhes e é assim k'agente os arrecebe? É obra!
Desserem-me ke foi uma desgracia. Xkera tude xê de pôve das áugas com kelêtes amareles e xkaté um trator lá andava pácartar a xterkêra ke lá andava. Ma même sére essa rua na s'indirêta?
Arranjem-me isse pámor deus ku fedor anda a intrar pa caza das criaturas adentre. Peguem numa carreta das fossas e apanhem-me esses cagalhões vadis e amandem-nos palá da foz. Amandem isse pu mar abáxe. Interrem isse n'árêa. Despois kerem palékas jêtozas a passiar no pardão? Mas kem é ke cá vem com tanta xterkêra na frente do mar? Alimpem esses cagalhões k'este preblema já tem más de vinti anes e nada.
Numa terra em k'inda á merdátona só lá vai com pontapé pa ...... selarêta.
 
 


Sem comentários:

Enviar um comentário