22 fevereiro 2014

ALBORKES 2014 - (SEM ESPEGANCES)





MARXA ALBORKES 2014

Congelô u matarruâne
Tá cus bêces c’mô panal
Alcuentre é capital
E rezidência ofecial


Mandô vir um telefériu
 20 kelxões molaflex
Deu balhe delas a sério
Foi até xfelar o intrépss


Á seu fê, seu mal trajôze
Já na compras nenhum fáte
Abre a boca seu guelôze
Pa t’arrancar a língua…
 cas pontas dum alicate


Sake de córnes num alguidar
É menu especial
Manda vir, tá tude págue
Pága o corne? Na fá mal


Cazas em Pataias, na Vitória e em Cascais
Já só falta ter uma horta… com vista pa Fanhais

O jagunce já tá rike cu denhêre da gatenagem
Té fez um implante… pa compor a pintelhagem

REFRÃO
Gabões pa cara
Rexiades com lête creme
Caguêre arrebentade
à vez na caza du leme


Amarrade pum pé e abeçade ó pé de gále
Aguarraz no cesse dá recorde mundial
Um dia a gente vê-se pa te dar um inkestinhe
Hádes impranhar de mim um rike cazalinhe

A pikêna vai ser Márina, o pikêne Camarita
Kem será a partêra do Hospital Israelita?
O filme tá fixe só k’ inda nem kemecô
Xcarretas pa cara foi a receta do sô dotor… Diôgue.



Letra: Zé Velhake
Múzeca: Uma cóker dos Los Fugitivos

Sem comentários:

Enviar um comentário