21 setembro 2013

XIGÔ O CIRKE, E O CATITINHA?






Tava a ver ke não! Já deziem ke na vinhem. Éa ke trapaça. Dum lade os aflites cuma camineta das obras cuns ótifalantes inguais ós dakeles omenzinhes ke vinhem às festas vinder panelas e mêas, do ôntre a Mãozinha cum popó tôde pipi. Despois os Espegádesque já querem hortas na prainha e o Desgrácia do Restórante já deve tar a pensar em ómentar as salas até ó furadinhe. A camineta destes, ôtra trapaça. Kem na vi em lade ninhum foi o Tónhe Batutêre mas desserem-me c'andava com akuase duas pessoas. Tá safe.
P'ácabar in beleza vê o melhor. Xigô o Cirke Mariane. Um cirke impertante ke só cá vem de 4 in 4 anes. Têm um grupe impertante de palháces, demadores com xicótes, um berrinhe e urses com fartura. Um xpetácle. Mas kem na viu os balões dos palháces? Só têm uma coiza munte má: o xpetácle é munte cáre e é sempre ingual, quande cá vem. São sempre os mêmes. Dizem ke são tôdes rikes e ke já na tão pa se xatiar com numares nóves. Même assim conseguem sempre fazer caza xêa. Esti ane com esta crize e tude são capazes de ficar akuaze bazis. Mas há sempre kem na se canse de ver sempre o même numare e despois há os ke têm Ózaima, e pra ests é sempre tude nôve.
Só kem faltô foi o Catitinha ke vinha sempre à frente dos balões pa dar uns bejinhes e contar uma xtória. Se calhar merreu! Inda êde saber isse.
Agora na se xkecem entre pó cirke e despois diguem mal. Se na gostem na comem. Né?
Mas tô apekentade cu Catitinha. Na m'acradite ke tanha merride. Cá pra mim ele tá mas é a limber os restes das panelas preke parece ke tá pa ser inxetade, ó dôs kêra, ke nem ó arrebáte do azile o kria.
Vá. Dêxem-se tar páí k'eu agora tanhe de ir arranjar um fegão a caza duma meçinha ke kenheci no Cêssebuke. Coitadinha, tem o homem imigrade e se na for um ómem a arrebecar o fegão, a limpar os bikes e a montar a betija fikem cu fegão avariade e cus tubes intepides.
Órrexadas po célebre é k'este pôve do Cirke peciza. Na perdoem. Mandem esse pôve imóra pa 70. 
De demingue já na passem.
E se virem o Catitinha apanhem as pedras ke cairem e carreguem ótra vez.

14 setembro 2013

PRÓCURA-SE DÔNE DE PAPEL IMBERREGADE


Incontrê este papel tode imberregade pó pé das Xcolas. Sabem de kem é?
A criatura deve andar apekentada com tanta coiza pa fazer.Nem tem tide paração...
 A recompensa pa kem sóber kem é a criatura é uma palete d'uiskes e tabáke à descrição. Paga o Cagalhão (de largue. Háde tá pague pás festas do ane ke vem)

 
Eu façe idéa...

02 setembro 2013

GANDA CARECADA



Ca ganda carecada! Podem crer! Um gáje vai às pinhas pa grelhas uns cábozes e xega lá e nada. É obra! Nem um penhêre? Tude despiulhade. E agora? Onde é kus cocós  se vão abaxár p'ápanhar aguelhóta e ôtras coisas? E pós ke arrêam p'ápanhar murangues? E se vier uma nortada do lade das antenas como é? 
Estes irmões andem todes tontes. Kerem é denhêre, é o kié. Vejem lá se pensarem nos cocós? Este pôve na sabe ke com arêa arranha? Palavra d'honra. Na pensem même nas criaturas. E inda batem ca mão no pête a cantar akelas cantigas.
Cambada de mamões é o kié. Inda guestava de saber se guestavem se fosse com vocêzes. Com tante dezimpregue kerem acabar com mais uns imprêgues. Ond'é k'eu pósse ir bescar uns penhókes pó fegarêr? Óguém sabe? Pois... a Pataias né? Haja gazól. Inkuantu isse kem já s'abetuô ó denhêre dos tristes dos penhêres? Adem s'amestrar.
Penhêres pa cabenca é o k'alguns marciam. Há gente ke neste invérne já na compra lanha. Ó não! Sé k'era béle. 
Ó xpertes, ó na vanham cá!