22 agosto 2013

AFINAL O CAGALHÃO NA KER IR PRA BÁXE E A CICLÉTA FOI Ó ARRANJE

 
 
Êa, até k'infim! Akuaze ke na dava ca Praia! Inda vânhe agueniade de tantas levas de mar c'até os intrefolhes batem palmas. Ó se calhar já tô a xtranhar a terra. Admira-te...
Se kizerem rabeçádes e máçes de tabáke d'Ábra Sódita diguem, ke preki até já os côme ó lanxe.
Mal xiguê a Lejbôa e intrê no tákçe, lógue o xófer kemeçô a falar de trapaças das pelítekas e disse-me coizas munte impertantes do Burre da Xcóla, ké um grand'i ómem e tude. Xkeceu-se foi de dezer ku Burre da Xcóla era patrão do filhe do xófer. Só alcapenagem em ação...
O k'ele na se xcondeu de dezer foi ku Cagalhão Mór tamém ia na pecissãozinha do senhor, ó seja, infiô os dêdes pa boc'ábáxe e pus vistes inda na toca cu dêde em nada, o ke significa k'inda cabe cóké coisa n'ózebêra. Coitadinhe do triste c'uma fertuna nos Farelhões e mêm'assim na xêga? Tanhe a impressão é que na quer uma farda à Izáltine... Ó espertes ó na vanham cá!
Iste faz-m'alembrar uma xtória kóvi no Japão k'era assim: Er'uma vez um Cagalhão ke teve preze na barriga duma velha gorda tante tempe, ka velha já nem kemia só pa sestentar o Cagalhão. Ficô de tal manêra ca velha já pagava renda ó Cagalhão. A velha xamô a peliça e disse pa estes tirarem o Cagalhão dela pra fora. E apezar dele rabiar, ele saiu cá pra fora. Caiu na retrete c'mó ma bazuca e de lá já ninguém o conseguiu tirar. Pior ficô a velha k'agora cu Cagalhão do lade de fora tá toda rota pe dentre e pre fora, levô más pontes có Castele Branke nos saltes pá pexina. Ficô tão duentinha c'agora tá in coma e nem se mexe. O Sô dotor diz agora ke só safem a velha se for pa lá pa dentre óguém ke na contamine a velha preke xterke dakela cor é pior ke peçonha de lacráu.
 
Guestarem da xtória? Impertante, não é?. Destas não haviem nos livres do Avôzinhe, poi não?
Ar e vente k'é mê sestente...
 
Parece ku Burre, más uns tantes, kriem ku Cagalhão fosse pa pia abáxe mas em vinti anes ganhó pé e ingressô de tal manêra ke nem à marreta ker ir pu rále abáxe. Parece um pé de gále inxáde. Agora ke saiu da toca anda tôde têze, inxáde k'mó Pampas, até já anda a kerrer pa rua com ôtres cagalhões, ó kié... É um simpátike, mete mede ó suste e já xêra a môfe mas é um fotogénike o nosse Cagalhão.
Xke tá uma perrada surda, uns xke kerem imperrar o Cagalhão pa sarjeta abáxe e ôtres pó pôr ó percôçe do Burre. Iste tude entre cagalhões da mesma caldêrada, ófará se na fosse... Anda tude apekentáde... Dêxem krexer as unhas, não as comem, andem, ké pa se saber tude na rua dessas perradas do Burre, do Cagalhão e da Cicléta.
 
Pe falá nisse, ôtra grande nevidade é ka melêta do Burre é a Cicléta. Éia a Cicléta, à ó! Agora ke foi à recóxetagem tá bem cromada mas inda tá toda impenada na tá? Muntes trambelhões e cambalhotas por essas ruas fora na dão pa xconder tante sepápe no selim. E ninguém na s'alembra de côm' era a Cicleta. Esta parece ôtra mas depois dum olhar mais atente a Cicléta é sempre a mêma. 
Mas kem na s'alembra da Cicléta? Dáva bálhe. Kem não aprendeu a andar na cicléta? Havia alturas k'até dava pa kuatre, akile é k'era um intretimente. Agora é só skates e patins. Dantes não havia a Cicleta em que todes pediam montar, ker fosse p'áprender, ker fosse pa s'intreter. Andê nela pôcas vezes andê! Nem ninguém ligava ós competadôs nem nada...
Tinha uma coiza munte boa, cóker um, pobrezinhe ó rike, andava na Cicléta mas despois ôve uns kuantes ke na sóberem brincar e partirem a Cicleta e xe ke teve arrecadada num sóte, má dum V'rão intêre esquecida.
Mas pus vistes óguem foi ó sóte e decidiu restórar a Cicléte. Trekarem os pneus carecas, trecarem as medanças e os travões, uma pintadela e tá impecável. Óliópsse!
Ma na se xkecem k'uma cicléta não é um piane. Dali só sai fume de pneu e barulhe dos travões.
 
 
 
Agora xcangalhem, ótra vez a Cicléta, na se xkecem. Iste já ninguém dá valor a nada. Uma cicléta hoje na vale o même ke valia à vinti'anes.
Dêxem-se tar pá aí keu tô práki, já nem há xtrangêras! Tanhe de me contentar cumas palekas d'Alcains ó isse ó haja braçes...
Iste é ke vai uma crize!