30 junho 2013

NEVELA BRAZILÊRA FILMADA NA PRAIA

 
 

 Atão seus azíles? Ind'aí andem? Inda na forem pó Canadá, c'mó ôtre? Tá tude rike atão?
 
  Vim aki ó mê brelóke infermative preke despois de ter atrakade ó pé de Macêó pa ir bescar um carrêgue de madêras das Amazónias pá Inglaterra atão não é k'apanhê uma nevela nova brazilêra e ke tá a ser gravada na Praia. Sim na Praia! Na nossa terra impertante! AH, na sabiem? Mas o ké ke vocês sabem seu caras sem timpêre? Pa na dezerem ké mintira gravê um cadinhe da nevela pa vocês verem ké com gente da Praia e tude.
Na kriam má nada? Só se pensem ké só o Tonhe do Restórante e o Beléu ke sabem fazer tiátres. Tiátre e do bom é nestra nevela. Mas kuais pescadores e remanes? Kremes é remances, cordelhices e xigadélas.
   Esta nevela xe ké uma coiza impertante. Um grande remance ke faz todá gente ficar inkemedade e com vontade d'órinar. Xke ke se xama Metade da Laranja. Xké melhor cá Graviela, xê d'inxentes, inlês e d'alborkes. Eu só vi um cadinhe e parece do melhor.
 
Tomem lá um cadinhe da nevela ´´ade xtriar, koké dia, aí nessa terra impertante linda k'mó sol. Akuande acabar de descarregar esta leva tamém vôn páí.
 
Dexem-se ficar.
 
 

08 junho 2013

O ALIFANTE JÁ S'ASSENTA


Pa kem nunca viu, x'ke foi uma coiza impertante. Um alifante assentade numa cadêra e a fazer barulhes pa boca e tude. Se sóbesse ke na se pagava belhete tamém lá tinha ide ver o xpétácle.
Eu só sube preka a nha sebrinha gosta munte d'alifantes e foi ver o cirke. Maz a pikena é uma tonta e na sôbe contar nada. Só sube dos premenores todes kuande arrecebi akele jernal do Lídar, ó kié. Na sabem? Akele com muntas cores e tude. Esse é ke vinha cu alifante na capa. 
Vinha lá dezide xk'até terra iem impestar pa plantar temátes e pipines. Uma rikeza.
Uma alifante realmente na pecisa de temates e pipines mas realmente kem é ke hoje dá óguma coiza a óguém? Pedia impestar tamém o xtrume, ke cada pazada deve fartelizar dois ó três órtas.
Sé k'era béle e benite.
Já virem um alifante assentade? Eu já vi. Se na virem têm miuntas ócaziões pa ver. 
O cirke vê pa ficar.


03 junho 2013

ABÉRTES OS JÓGUES ALKAPÓNIKES NA NOSSA TERRA LINDA K'MÓ SOL

Atão seus tifes cebráis? Tude órráite? E das émerróicas tão melhózinhes? Há agora uma pemada munte jêtoza fêta com áugarraz. Xprementem.

Na pode uma pessoa ir pintar o convés dum pitrolêr à Nigéria ke kuande xega é só nevidades!
Óguém sabia k'os Jógues Alkapónikes tinhem side abrides pu Rê Tontinhe? Na sabiem né? Nem akuaze ninguém. Na fosse a nha neta tê side xamada pa ir ó campe de fetebol pa receber uma coiza kóker nem eu sabia.
X'ke foi uma rikeza. O Rê a kerrer, ca cabenca ó lade, ca feguêra na mão pa frente do mar, devia tê side netiça c'mó amaricane da onda à Pinoca. Ma na foi, uma pôca vargonha. Nem desserem ku ómem s'altarô pa paz e p'armenia dos pobrezinhes, alés. Xk'até ia xurande. Tava inkemade, a criatura. Façe idéa. Mas kuande apanhem o ómem, à má fé, nas bombas de gazelina dakela terra da ginjinha só pó multar já tá tude bem, né? Iste na se faz. A criatura já na tem denhêre pa pagar a ninguém e inda lhe pedem pa pagar uma multa pur andar à carrêra? Uma pôca vargonha, é o kié! Inda dizem ke kem vai pagar é a Cambra. Uma camada de mintirózes e cordelhêres é o k'esta terra tem.
Só se na sabem ka culpa foi da vuáture k'a dexer imbala e só a travar é ke s'aguenta nos dezentes. Mas kem mandô fazerem uma xtrada a dexer dakela manêra? Mas pa ir à cidade é pecize ir p'akelas terras mal trajózas? De caçelhêre era má benite e ó mênes na tava lá ninguém pa filmar. Inda pra mais a criatura na tá habituada ó carre. Pa kem anda habituade a andar em jipes, motas ofrecidas e xáçes velhes não é fácil andar em carres dakeles. Mas kem impestadeu um carre dakeles ó triste? Só se criam ke se matasse! Dizem ku carre é do Rê mas agente na s'acardita preke nunca akela vuáture passô pa frente do mar, nas mãos do Rê.
Mas voltande ós Jógues Alkapónikes, foi uma rikêza ver o Rê a kerrer, ca feguêra na mão, e o Burre da Xcóla de fáte com betão doirade, ó lade e a fazer de conta ke sabe dezer bom dia ó pôve. 
Nunca se viu este pôve tantas vezes à frente do mar. Inda fazem c'mós ôtres ke gastem as pedras do passê. E despois d'Inverne é xkerregadela de três em pipa! Ája braçes e pernas e bacias arremendadas!
Olha ke na têm mede duma leva de mar k'us leve pa lá do peção. Mal impregades...
Dêxem-se tar p'ái àpedrecer ke kuande tivermes más nevidades agente vem aki códelhar más um cadinhe. Combináde? Na se xtraguem más, tá bem? Olhem as duenças do tsã tsã. Olhem k'inda não há bacinas. Despois diguem ke ninguém avizô.