16 março 2013

É SÓ FERTUNAS AMANDADAS DO SEBÊRKE ÁXE

a

Atão camá d' varêjas? Inda são vives? Inda bem pó kevêre! Assim faz mênes barrocas...

Na têm viste o Rê á'mandar fertunas do sebêrke abáxe? Akile é ké um xpétácle! Uma coiz'impertante pa xtrangêre e cordelhêre ver. É verdade! Parece ku Rê tá tonte da cabenca e anda átirar uma fertuna, mas à viva! Não é pa tôdes. Parece ke tá uma fila ó pé da pedra da panela à xpera do denhêre ke cai do céu. Xke forem avizades com antecedêcia prek'ó senão inda contavem ó pôve as trafelhices ku Rê tem fête estes anes tôdes. E akuaze ninguém ker isse.
Xke tirô os mamões da têta mas depressa arranjô um bib'ron de 5 mil litres pa pederem inxer a pança. Kôme tamém é normal (e kem kria pórkes sabe k'é assim) há sempre um ke fica sem têta. Parece k'este caze é ingual. Pus vistes um dos três perkinhes já na mama má nada. O ke mamô já xigô pa pagar as dívedas da batota e agora é imbarcar se kizer. Sé k'era béle! Akuaze ke nem ler sabe e já tem pescôce de métre. Sestentar até certe limite despois é mandá-les pó tálhe.
Mas pus vistes os k'ainda têm têta vão mamar más um cadinhe. Xe k'ainda na dá pa pagar as cazas e os carres impertantes, os fates intêres e os fátes de carnaval do reste da companha.
Inkuante o Rê tiver lá in cima vai cair sempre denhêre p'ós ke tão à xpéra dele ó cante das pedras mas pa kem na tem óturização de xigar à borda, kôma arêa k'ájuda a desfazer solas de sapáte. Pós famintes não há nada, nem um testão, uma esmelinha ó mênes, p'le mênes por agora. Kem tiver mal ke vá dermir pó pé das lanxinhas k'um dia, se calhar, inda levem um lanxe e uma bedêra no Stela Máres pa pagar o vótezinhe, k'iste é même assim.
E não é só! Pér'áí na te váz imóra! Parece ke, pus vistes, tá tude rike pa pagar tlefenêmas pa saber coizas dos vélhinhes! É verdade alés! 
Tlefenárem já duas vezes pa cáza da nha t'Incarnação a preguntar coizas e nomes k'ela coitadinha na kenhéce. Só foi à xcóla dois mezinhes, na teve tempe d'aprender os númares e as letras. Só sabe ver onde tá a xeminé, de kuatre em kuatro anes. Mas ódespois eskece-se, coitadinha da velhinha. 
Mas kem é k'anda àpekentar as criaturas k'akuaze na se podem alevantar do sefá com tante rómátike, pa ir atinder o tlefóne? Olhem k'inkemódem as criaturas só pa meter ó bôlse. Pa dar nada! Tá kiete! Ó contrário d'ôtras coizas kuande se fala em denhêre com este pôve pa'intrar é um vê se t'avias mas pa sair? Tá bem tá! Nem k'um pexão pa ózebêra ela se descóze. Tem um kerdel com duas dobras a sigurar a ózebêra. Na kriam má nada? Mamar não é pa tôdes.  
Falta saber kem paga os tlefenêmas. Kés tu ver'este pôve é do Méu, ó kié, ke tem tlefóne de graça mas só se pagar uma fertuna?! Se calhar na têm ke fazer e precizem de s'intreter. Se na têm ke fazer brinkem ca coizinha. Ó mênes na xatêm ninguém!
E se dessem esse denhêre ós tristes ke na têm nada pa kemêr in vez d'andarem a rombar à grande pa pagar estes e otres inlês? 
Dêxem dar kem dá! Ó mênes não apedrece nas ózebêras dos póbrezinhes ku iam gastar em grades de mines, tabáke d'inrrelar e xócapik.
Té kóke dia. Dêxem-se tar kietinhes em caza e não apekentem ninguém. Olhem! Deu na tlevizão ke numa terra kóker uns homens forem ver o fetebol ó café e um deu um tire ó ôtre, só pe dar um pontapé nos artêlhes ó amigue!
Dêxem-se tar em caza k'iste na rua tá um prigue, e assim k'm'ássim na vêem a pôca vergonha k e tá à frente do mar ke kóke dia a estrada parece o caminhe vélhe das hortas ó pé do Centre de Saúde. 
Essa é ké essa!





10 março 2013

ÁUGA KERTADA SÓ PÓ NATAL


Ind'aí tão seus inxamardiades? E eu a pensar ke já tinhem tôdes imigrade pa Lamintane! Vócezes é ke sabem. Dexem-se cá ficar có despois na se kêxem.
Prontes. Despois do dezabafe, pre cima, sim preke tamém tanhe dias ke dezabáfe pre báxe. Como hoje por ixemple. Despois do transplante da figadêra desserem-me pa fazer a redagem do ikipamente e p'le mênes ó fim de semana tanhe de desvirar o buxe uma ó duas vezes. Dizem ké bom pa limpar. A nha sorte é ke na págue áuga kó senão na me xigava o denhêre ke pésse impestadéde a kem m'aparece pa frente. Só in descargas ótóclisme era uma fertuna!
Pe falar nisse... Atão não é ke despois dos mês imbarkes pós ferribôtes da Griulanda e da Noruega tive ke tempes sem vir a caza, dêxava a nha filha e o mê néte me virem abrir as ternêras, preke deziem ke saía má barate, mas má nada? 
Iste pa dezer o kê? Ke tanhe recebide as cartas pa pagar a áuga mas ó p' eskécimente, ó preke na m'apetece pagar, dexê má d'um ane pre pagar a díveda e o ingraçade é ke na me kertárem a áuga. Eles tamém sabem k'm'eu sô. Intráva-lhes pa caza àdentre e até o xampô deles me tinham ke dexar uzar kó senão era a manta.
Pois é! Xe ke na cortem a áuga ós ke na paguem. Pensava eu ke tivessem só mêde de mim mas afinal parece ke mêa praia se xkeceu de pagar a áuga e o esgôte. É esta crize k'arrebenta ca cabenca das criaturas. 
Eu tamém precebe, atão o Rê deve a tod'ó munde e vinha agora kebrar áuga, sejête a ser amassáde. Eu fazia o même. Assim k'm' ássim tamém não é a ele ke se deve. Ó xperte ó na vanhe cá! 
O pior é ke parece ke ninguém ker saber. Xe ké precóza das inlenções d'Ótubre, xe ke já anda tude apekentáde. Xe ke desta vez na pódem premeter nada e k'ó mênes dão áuga. Inda só mênes fosse vinhe! Mas prontes fike más contente pre ver ku Rê e a sua companha tá a trabalhar bem. Antes de vinder a áuga ós amigues da Batalha, ke deve tar marcade lá pa despois das inlenções, andem agora priókepades é em comprar vótes e meter p'le mênes 20 listas pá Cãmbra k'assim ó menes dá pa continuar a mamar más um cadinhe e evitam despesas pa Álcuentre, k'eu tão bem kenhece... Mas na vames falar agora de coizas ke me trazem mimóiras delerozas...
É caze pa dezer: Ráis parta a vaca ke même seca c'mo cação continua a dar lête! É às pinguinhas mas é lête! Dizem ká dias ke já vem em pó, mas ca áuga à borliú, é só fazer a mestura e tôdes bebem o lêtinhe e passade um cadinhe é só vêles àrretar c'mós pelíças bêbades.
Abençuades dotôres do cú cagáde ke não há onda ki os leve pu mar abáxe e ke os amandasse pó peção ke só averem d'arribar kuande eu mandasse! Ó isse ó inguelir órtigas, xe ke faz bem à caganêra.
Na se eskecem é ke se kertarem a áuga ó mênes dexem-me ir bescar áuga à fonte do Stela Máres. Agora não mas de v'rão tomem-se lá banhes num alguidar ké um regále. E se for k'uma xtrangêra melhor ainda.
Continuem assim, dêxem iste de pantanas k'em tempe de crize peciza-se d'ajedar os póbrezinhes. E já ké altura disse, vanhem me trazer um cabas de Páscoa k'eu na m'importe. Se cá vier parar, o vóte é garantide! Na facem k'mós da mãozinha ke xe k'andarem a dar rozas. Nesse dia ôve gente k'inxeu a barriga, ficô ca garganta ardida mas kemeu até se fartar. 
Dêem mas é felares e áuga mas com pé preke da ôtra nem pa temar banhe já presta. 
Tanhe de m'ir imóra k'eu góste d'óvir o sermão d'incontre. Tanhe d'ir à carrêra pá Peralva e com getinhe inda trague um brinde. No ane passade inda truxe uma desverciada k'incontrê no ilevador à vinda pra báxe. Nesta altura há sempre kem precise dos pés kentes. Ciáticas e rómátikes é o ke tem. Eu kôme sô uma alma caridoza façe a nha parte. Tames cá pa nes ajedarmes uns ós ôtres.
Ke na vanha nenhum ternade k'ó da Póvoa kó senão a vara d'estadarte vai parar ó Ófexóre dos Farelhões.
Adeuzinhe e dexem-se tar em caza ke kuantes mênes na rua melhor. Já nem dá pa ir xpurar o senhor na incosta do Matadôre, vejam lá bem! Inda lá fui há doiz' anes e mandarem-me imóra! Xe k'agora akile tem dône, ó kié. Eu xtranhê os sefas de cabedal e a cama redonda, mas iste andem sempre em medanças k'uma pessoa nunca sabe...