24 fevereiro 2013

CAS CALÇAS DO MÊ PAI TAMÉM EU ERA UM GRAND'I ÓMEM


Atão coizinhes tude bem? Preki nem pur isse. Eu já sabia kuande me despedi do imbarke k'ia ser uma desgraça mas inda foi pior kó k'eu pinsava. Só antrelantontem é ke saí dos Kevões precóza duma opuração ke fiz ó fígade, prek'u meu já andava gripade, e já na kêmava bem o gasóile de ternêra. Kem me safô foi um dôtor d'Alcanena ke vem tode z'anes pó sigunda andar da nha tia. Ele até trabalha no Palhavã mas disse-me lógue ke se kria ficar côme nôve tinha k'ir bescar peças à fábrica. E eu fui lógue à carrêra. Ele telefenô pa um amigue e safê-me, kó senão más valia fazer lógue uma barroca. Pre cá nem é precize. Agora até o telhade da Praça tem um burake. 
Foi este Carnaval, esse bandide, essa pesta malina, k' avia de lhe dar um cângare no céu da bôca ke só havia de kemer pu cú, ke me desgraçô. Até sigunda kerreu tude bem, guemitava só a partir das cinke da manhã e akerdava às sete da noite pa kemeçar ótra vez o fandangue. Despois de singunda é ke kemeçê a ficar amaréle e nas partes um cadinhe verde e pior, já guemitava a seguir à mão de vaca e ós dois litres de vinhe tinte. Tava impaxade. Nesse dia fui lógue à carrêra ó Sô dotor, nem fiz a volta completa ós balhes nem nada, só fui um becadinhe ó site e kuande era pa intrar no bálhe dó pé do cinema já tava fexáde, pa não ir acabar à Pedarnêra pá célebre perrada de terça vejem bem k'meu tava.
Despois d'ir à Batel temar o pikêne ómôce chamê uma abelância e passade uma óras já tava a ser ópurade ó figade e tirarem o vélhe e meterem um nevinhe dum pikene d'Alfaréles ke ficô ca cabeça infiada num mure. 
Agora tôn melhózinhe já akuaze ku corpe na pede bedêras. Devia ser um mecinhe ke só s'imbedava uma vez pe semana ó assim. 
Mas agora ke já ki tô diguem cá o Carnaval teve ógum traje? Eu na sê k'eu tava em vinha d'alhes, eu nem m'alembra com kem dremi. O mê prime disse-me ke xtalê kum tube d'escápe mas eu axe ké mintira. K'eu nessas coizas tanhe de tar a dar bêjinhes.
Á já sê! Já m'alembra! Vi o Burre da Xcóla insaiade. Só m'alembre disse. Eu ke nunca tinha viste akela pecenagem insaiada, mas já me desserem ke s'insaiô uma vez à Pierrô e ôtra á kemandante mas eu na m'acredite, era xpegáde e xtrafegade k'mon xfregão. A na ser ke tanha ide pó Carnaval da Macêra. Dizem ke tamém é munte jêtôze. Mas deu bálhe! Deve ter leváde uma injeção nas bexêxas ke se táva sempre a rir c'môn tontinhe. Su Rê já é um mal fête e mal injórkade e ca cabeça do tamanhe duma abóbra, este atão parece um pau duma bassôra kus bólses xês de denhêre. Olha alimbrême d'ôtra! Rombê-lhe do bolse uma téca de sanhas d'imprial k'ele andava a ófrecer. K'ié? Ladrão ke rôba ladrão tem na sê o kê k'acaba em ão. 
Erem só dôtores do cú cagáde. Um fedor ke na se pedia, os ke herdarem casas e rendem uma fertuna; os dônes dos ótéles e dos restórantes; os dônes do Porte d'Abrigue, os pelítikes desta terra ke só andem à babuje do ku pôve lhes dá. Eu sê lá mais kem. Tude gente ke tem as mãos in sangue de tante trabalhar. Ai se na fossem os paizinhes desta gente, por onde é k'eles andavem agora? Même kus bólses xês parece ke na xêga, kuante más ronbem ós pobrezinhe más kerem. Gandúlas!
P'ácabar era só pa dezer k'este pôve, ke m'alembre de ver no Carnaval, anda pái mas é à conta do paizinhe e da mãezinha e dóguns padrinhes, kó senão nem p'árrebecar candis eles pestávem.
Xe ku desfile é ke foi uma coiza impertante! Ai ke pena k'eu tanhe d'a essa hora tar a ser ópurade, kó senão na perdia, p'le mênes três palétes de cerveja tinha de trazer pa casa. E desta vez inda teve uma coiza melhor. Acabô ind'antes da hora do lanxe, iste pó kemércio se safar com palmiéres e barkinhes, e tramóçes pó jantar, foi uma rikeza. No ôtre dia éra uma fila pó banke ke dava a volta ó Porte d'Abrigue.
Eu p'rá ki ande até Deus krer e vocêzes na se xtraguem, olhem ke já não há akuaze barrocas pa interrar má ninguém. Pre mim na m'importe mandem-me pa Fanhais e se for munte cáre amandem-me ó ri em Alkebaça kó mênes ajude, nem ke seja uns pexinhes, ó mênes despois de môrte inda fáçe mais ke muntes alcapónes ke p'rái andem.
Xtimas melhoras!

Té cóker dia, se na nes vimes antes aparecem no Sant' Amáre, kestume lá ir tôde z'anes bescar umas passarolas pa kemer na córesma. 
Mas compre ku mê denhêre k'eu na sô mamão. Prek'u ke na falta aí é gente k'invés de comprar as passarolas pedem impestade e às vezes nem pedem, kemecem lógue a kemer sem avisar. Gente mal criada e com más módes. A sorte deles é kum mê pai uzava cirôlhas de tirilene preke ósenão tamém tinha herdade umas calças k'más deles. A nh'ávó já me dezia: "Se na fôs rike na fá mal. Veste um fate, levanta a cabeça e és ingual. E s'a barriga kemeçar a fazer barulhe bebe áuga da fontinha k'ingana a fóme. Mênes ke ninguém!

08 fevereiro 2013

ALBORKES 2013, ANDA TUDE TÔDE TÊZE!



Kom esta crize tás apekentada
Tens tude pôdre, kuaze desdentada
As ternêras já tão desligadas 
E as badanas já tão penhuradas

Tô impaxada, assim na me guevérne
Na sáfe um xambre pa kemê no invérne
Ke vanha a onda grande do Má Cara
Se tróxer denhêre póde xigar à Tórada

Eu a pensar ke íames ter Marina
Com otéles com ó mênes uma pexina
O Telefériu x'ke já apedreceu
E o pôve kiéte já adremeceu

Ai k'ingânes k'mó Totó
Fizerem diste um foróbodó
O móte é dedicáde ó Rê
Prek'é mintir é sempre fê
Kuande akerdármes desta grande tontêra
Ind'avêmes de por nu prégue o forre da ózebêra.

Dizem ku Rê tá rike com melhões
ke tão guardades nu ófexóre dos Farelhões
E o mê homem já só come mexelhões
E este mês acabô-se-me os fajões 

Même ca feminha anda tude inxáde
Tá tude rike même despois do ternade
 Su Rê tá rike e agente fome na fá mal
Enxêmes a barriga kum alguidar de Carnaval

Tanta perrada léva à Pedra d'Inguelim
Prek'as ondas à crise ãunde dar fim
Tá tude rike desda a  Falca à Pardanêra
Té no Valade há lanxes de Sapatêra

Ai k'ingânes k'mó Totó
Fizerem diste um foróbodó
O móte é dedicáde ó Rê
Prek'é mintir é sempre fê
Kuande akerdármes desta grande tontêra
Ind'avêmes de por nu prégue o forre da ózebêra.

Tá bom?
Préga!



Letra: Zé Velháke
Múzeca: Uma cóker.

PS: Atenção ke kem kizer uzar iste é só mandar dezentes aérius pó lade de cá. 
Sé k'era béle! Tude mamava menes agente?! Na kr'riam má nada!
Pobres mas sérios e assiádes.

DE XEMINÉ PA TERMÓMETRE


Despois de munta gentinha já tê dite ke na vai vetar na xeminé, em ótubre, os intlegentes já arranjarem uma manêra de fazer com ku pôve vóte neles à mêma.
Assim, a fómla utlizada foi a troca do símbale adonde se mete a cruzinha. Á poiz'é na votem na xeminé? Votem no termómetre ke dá no même e ninguém dá por ela. Tamém ninguém kenhece o Burre da Xcóla e só o Kezenhêre é kenhecide per ler as dêxas no Cazine, desparar a pestóla da Mardatona e de ler recêtas de Cabrite à Pádêre. Só há pôcaxinhe tempe é ke se tem viste na igreja. Akualker dia acaba k'mó árbite dos relójes: de bata branca no pálio do sô Padre.
Tá tude resolvide. Sim k'má sim este pôve tamém na tem partide, o partide deles é mamar até a têta secar, o ke já faltô más. Pur eles ir pa xeminé ó pun calhambéke é ingual. Dendes ke dê pra ele e pó reste da sêta, tá tude sáfe k'mó relóje.
Atão na se confundem e na eskecem de vetar no termótere do homenzinhe do chapéu. Só na tem o gabão preke no termómetre tá munte calor e desfazia-se em xterke.
O móte tamém já tá xkelhide: " Se na kés ke te faça um inxente vota no Incompetente". Tá gánhe!
Em terra de gente más ceguêta kás tôpêras deve dar pa xigar à frente. E atenção ke na dezêmes ke na nossa terra linda k'mó sol é tude burre c'más portas preke as portas nunca fizerem mal a ninguém e esta xkemalha já.
Adeuzinhe ku Alborkes é capaz de ficar em vinha d'alhes até kuarta fêra de cinzas. Só falta meter a marxa. S'até as lojas dos pirikites têm uma marxa agente tamém é gente!
Dêxem-se tar ke s'oje apánhármes uma tólada kôme deve ser a marxa faz-se in mêa hora no guardanápe d'ámburga do bálhe.
S'ágente na se vir antes até kinta! Agente vê-se no Centre de Saúde, nos tratamentes pá pneumenia do fígade.