31 janeiro 2013

NÃO HÁ PAI PÁ NOSSA TERRA!


Atão? Tude bem coizinhes? E de saúde, ke Deus tem? Ke façam tude pu melhor, é o ke se pode dezejar.
Prontes, depois da conversa fiada é hora de falar de coizas côme deve ser. É verdade alés! Inda este pôve na fez a destão da onda, pas guelas abáxe, ke já se bateu nesta terra más um recórde.
Despois de bater o récorde (ke já foi batide de largue) prevade p'uma fetegrafia dum pobre de criste, k'inda s'ade vir a ver ke mexeu nakelas coizas dos competadores e vai ser a manta, agora foi batide más um récorde na nossa terra linda k'mó sol.

Daki pá frente convém ler só kem ainda na kemeu à más de trêz'óras, k'ó senão pode vir carg'ó mar e despois na kremes ser kulpades de xtragar nenhuma ócatifa ó tapete de franjinhas. 

Kôme já podem ter viste na fetegrafia, o récorde é do maior cagalhão sem cortes do destrite de Lêria. É obra! Sim senhora. Toma lá anda e almóça (salve seja). Um cagalhão com três palmes e mê de comprimênte, sigunde as contas dum xpecialista em inxamardês. 
Dames bálhe em tude menes em barrer o lixe da borda d'áuga, ke su Cardoze fosse vive tinha vargonha na p... da cara! Mas os tempes mudam e a vargonha já é pôca...
O autor da pruêza foi, curiozamente, um pobrezinhe dos Cúkes, ke despois d'andar a passar feminha de grile, kôme grande parte desta terra, apesar de denhêre pó Carnaval na faltar, e se faltar fica-se a dever. Uma coiza é ter uma ózebêra, ôtra é ter denhêre pós ôtres. Primêre nózes, despois vózes!
Já nes perdêmes... Prontes foi atão a maior cagadela do destrite atribuída a um paketezinhe ke já na kemia dendes das sobras dos palekes da Passagem d'Ane e ke despois da onda do Má Cara inxeu a barriga inté ó pescôce.
Abençuada onda ke vê trazer kemerzinhe e trabalhinhe pó pôve desta terra. Já ku mintirôze do Rê e do Burre da Xcóla só dão mama ós rikes amigues, preke kem kizer s'aviar tem d'ir k'má gente pá Noruega, pós ferribótes ku fri a kemer tude até ó osse. Ó mênes ke vanha óguém de fora, ajedar os póbrezinhes, coitadinhes. 
Este consselôsse. Kemeu tante rébágue, tante sargue, rebale, pêxe pôrke e x'k'até uma vaca letêra vê dar ó forne d'Orca, d'onde este inda kemeu uma perna intêra! Abençuáde Xtrangêre ke se na fosse ele merria tude à feminha. 
Em declarações dadas ó Tó Manél, ke tá em todas, o pikênezinhe disse ku farnel foi tão d'infiada ke saiu da mêma manêra.
Na tinhames já cá xterke ninhum, vê más este récorde pá gente inxer a barriga, nem ke seja de tramósses rôbades à velha ke tá a dermir tardes intêras de costas pó pardão.
Aí Cagão!

21 janeiro 2013

MÓLHE NORTE ABÁXÔSSE P'ÁPANHAR O SABENETE E FOI PU MAR ABÁXE


É obra à ó?! Inda há kem diga ke nesta terra na se passa nada! Façe eu um imbarke de dois mezinhes e é só nevidades!
Mal xiguê fui lógue tratade c'mós Rês do Carnaval. Um carre da pelíça na retunda do Porte d'Abrigue à nha xpéra pa descarregar as malas. Até kertarem o trânzite vejem bem côme iste medô. Até já dá na tlevizão o Burre da Xcóla a dezer ca nossa terra linda k'mó sol é uma cidade impertante. S'ele diz não há-dem os jernalistas da Sike e da TêVêI dezer tamém k'iste é uma cidade!
Inda nem sê as nevidades todas, só sê ku farol do mólhe norte tava a temar banhe e x ke lhe xkerregô o sabenete e foi pu mar abáxe. X'kinda não o forem bescar preke o irmão do mólhe sul anda apekentade ku Spórte e xe ke na teve ainda vagar pa vir pagar o rebóke ó irmão, e tamém pe vergonha. Ninguém gosta de ter um irmão ke é apanhade abaxáde cús trazéles virades pa terra, pa todó munde ver. Só inlês...
X'ke tamém já há Rês de Carnaval não é? Só gente impertante! E x'ku móte dest'i ane é àrrazar ku Rê dos mintirózes e ca su sêta d'aldrabões. Nem de prepózite. Na deviem era pôr o TóTó ó barulhe. O homem tem d'akerdar de madregada pa ir bescar e levar drógades a Lesboa. Não inkemódem kem trabalha.
Ôtra nevidade é os arranjes nesta terra. Fui hoje bescar o jernar impestadade ó Stela Máres e não é ke vi ke já não há burakes na frente do mar? Tude arremendade com arêa, mas sim k'mássim, tá melhor kó ke tava. Na se pode dezer só mal, atão!?
Má benita tá a antiga Praça da Fruta, ó pé da Capetania, onde há mais espáce p'ágente andar sem intrepessarmes uns nos ôtres. Sem as barrakinhas há mais espaçe. Guestê! Se foi o Rê a ter a idéa atão tanhe de me calar c'agora tá tude má benite. Inté as montras tão más arejadas, ó intão é impressão minha, dó tempe ke já na vanhe à nossa terra linda k'mó sol.
Agora só m'hêde ir imóra p'ódespois do Carnaval. Na me kriem dêxar vir. Sé kera béle! Meti a carta pó funde de dezimprêgue e já cá tô. Carnaval sem vir à Praia nem se fazia! Despois lógue s'ade ver o ke s'arranja. Mas agora já só me kére àrrejar pu xão até à hora do lanxe de kuara fêra de cinzas.
Té manhã se deus kizer. Na se xtraguem. E na fassem falatório do farol do mólhe nórte. Há kem faça coizas piores e ande de pête xê de gabão a passear. - Vá! Marxas pó côrpe s'áxafor!