03 dezembro 2013

É só cagalhões? Nem um cadinhe de sultura?


É pecize tê lata numa terra destas linda k'mó sol e xêa de xérifes e kemandantes, ladrões e kemilões, palháces e refilões e xótinhas sem travões e más coizas treminadas em ões. 

Ma même sére este pôve na tem vargonha na cara? É obra. Mas este pôve arrebetô cuma terra e même assim inda p'ái anda de fate intêre e barba fêta a dezer k'afinal o cagalhão é ke tinha a culpa e xke na sabiem de nada? Olhem ke na vem a rabana, á ó.

Pus vistes a sêta na bastava o xtrague ke já tinhem fête c'agora forem pá merdátona. Só se na sabem cum cagalhão só s'aguenta à tona su kemer for fajuada. Na merdatóna. Más um bárke arrombade k'agora vai ser afundáde.

Á migues na se ponhem à tabela e essa gatenage inda arrebenta ca onda do Má Cára. Xkaté os recifes conseguirem interrar. Kem interra os recifes interra tude. 

Sabem o ke dezia o Pilinhas? Kerem um bom concelhe? Pergante pa boca abáxe é o kié. Ó mênes têmes a certeza ke na saem más cagalhões. Antes sultura e os bêces àssebiar do ke cagalhões. Xta cãos

Correm, correm mas só se for pa lá das bóias cuma lagacêra de rabioza kús avéra de levar pa lá da Figuera c'mó Raul. Pe falar na pecenagem: Áviva! Abre o ôlhe e solta o cagalhão k'inda p'aí anda. Aprevêta, limpa o cêsse e descarrega o ótoclisme e vái xpurar os Rês pa lá da foz. Hádem fazer uma rica pecissão.

03 novembro 2013

Berraxinhes pa cara ninguém ker?


É pecize tê lata! Ma même sério esta gente de fóra só cá vem pa ser amassada? Olhem k'agora vem gente do fim do munde pa ser derretide c'má banha.É pecize ter lata. Se fosse da praia era tonte, mas é de fora tá tude bem.
Dantes eu alembra-me dos fercádes ke levavem com paus de barraca pa cabencla mas agora a onda é ôtra.
Até as pikênas alés! Numa terra onde elas já são amassadas e estrafegadas de todas as manêras e fêtís agora tamém vêm brazilêras pa serem dezancadas. Não é ke na gostem, habituadas a isse tão elas, e pre menes de cinke aérius, até fazem coizas benitas e impertantes. Mas eu diste nunca vi: Uma pikenazinha ápanhar barbêres akuaze do tamanhe dos rés de xões do Bairro dos Pescadôs. É obr'áó!
Xe ke despois d'apanhar akela matelona andô árrelar pa borda d'áuga. Até aki tude bem, não era a primêra nem áde ser a última. Mas ódespois xke precóza da pezição partiu uma perna. Tamém já cá aconteceu. Alembram-se dakela pikêna ke xkerregô kuande o kenhade lhe tava a tirar uma berbulha das vrilhas? Foi o même resultade. A difrença é k'a perna partida foi precóza da órrexada ca irmã lhe deu. Mas isse já ninguém s'alembra...
Pa terminar foi passar o dia a uma cama pa Lêria. Aki tamém não há nevidade. Kuantas pikênas desta terra linda k'mó sol já se xticarem ó compride in Lêria? E se fosse só in Lêria tava tude descansade e benzide...
P'ácabar ficô atarduada e adermeçeu kum trómatisme ucraniane precóza de ter metide áuga acamada pa boca abáxe. Aki a coiza já é difrente. As pikenas desta terra linda c'mó sol peferem inguelir ôtras coisas ke fazem ter os ólhes má benites.
 Antes de m'ir imóra pá batota xfelar dois ó três palékes só cria dezer a este pôve pa ficar in caza. P'ápanhar perrada falem co Zé Prête k'ele trata disse e xcuzam de sair do Porte d'Abrigue pa gastar gazól.
Berraxinhes pa cara ninguém quer poi não? Latadas pus bêces ind'era pôke.


05 outubro 2013

É ASSIM ATÃO? TUDE PU AR! OLIÓPSSE.


Sabem por onde eu andê criaturas malinas? Pu Benim. É obra! Não é Berlin, catâne. É Benim ke se diz! O Berlin é ôntra terra xêa de faxistas e ke devem tar injuádes k'má pardela. E eu ralade.
Olhem s'eu sabia k'avia uma terra xamada Benim!
Se xkentamentes, moscas e sidózes tivessem tante valor k'mó dólar, o Benim era má rike có Dubai. Ólarilas. Mas côme não é, nem luz tinha akuante más intrenet.
Akuaze uma semana a kemer rissóis e merrer cu calor e cu xêre a catinga. Já na m'apanhava in terra.
Mas ó perte o Benim até é parcide ca nossa terra linda c'mó sol. Se fossemes todes dos trolitêres até os prêtes nes xamavem prêtes...
Mazé assim atão? Partirem tude às criaturas? Inda dizem eles ke kerem dar impregues ó pôve. Só cus mamões ke lá tavam à babuje na xega um Centre d'Impregue pa tante gade.
Foi atão seguide e cor. E intrô o batutêre! Mas esse é normal, já kenhece as regras pó bem e pó mal. Na pardoa.
Kem deve tar ainda em jajum são os Espegades ke pensavem k'iam mandar e afinal ficarem foi a mamar...
E o Capitão Pêrinha. É obra! Tinha ele já tude arranjade ku Cagalhão pa ir pós barkinhes e afinal foi apanhar áuga cum bartidor rôte.
Dus ôtres tôdes só vale a pena falar da pikena dos faxistas. Fazia dela um xenéle. Ó ela a mim, lógue s'avéra de ver.
Na pude foi ver as caras d'interre dos mamões. O k'eu pagava pa ver a perrada surda e as abelâncias a xigar.
Agora os da mãozinha na se eskecem. Façem k'mós ôtres k'ão-de ir parar perte. Olhem k'isse não é um carrossel pa dar voltinhas. Áviva!
Dexem-se tar páí ke vôn agora levar uma bacina pó xkentamente, ke ton tôde ardide. Se na duesse tante até era capaz de m'abituar a ter um xumbéu de cavále.
Mas ton confermade. Há agora kem tanha mas partes arder e na se kêxa.
Kuande aí xigar dexem ó mênes um cadinhe da prainha. Tá bem? Vá lá ver. Fassem óguma coiza pe vocezes abáxe.

21 setembro 2013

XIGÔ O CIRKE, E O CATITINHA?






Tava a ver ke não! Já deziem ke na vinhem. Éa ke trapaça. Dum lade os aflites cuma camineta das obras cuns ótifalantes inguais ós dakeles omenzinhes ke vinhem às festas vinder panelas e mêas, do ôntre a Mãozinha cum popó tôde pipi. Despois os Espegádesque já querem hortas na prainha e o Desgrácia do Restórante já deve tar a pensar em ómentar as salas até ó furadinhe. A camineta destes, ôtra trapaça. Kem na vi em lade ninhum foi o Tónhe Batutêre mas desserem-me c'andava com akuase duas pessoas. Tá safe.
P'ácabar in beleza vê o melhor. Xigô o Cirke Mariane. Um cirke impertante ke só cá vem de 4 in 4 anes. Têm um grupe impertante de palháces, demadores com xicótes, um berrinhe e urses com fartura. Um xpetácle. Mas kem na viu os balões dos palháces? Só têm uma coiza munte má: o xpetácle é munte cáre e é sempre ingual, quande cá vem. São sempre os mêmes. Dizem ke são tôdes rikes e ke já na tão pa se xatiar com numares nóves. Même assim conseguem sempre fazer caza xêa. Esti ane com esta crize e tude são capazes de ficar akuaze bazis. Mas há sempre kem na se canse de ver sempre o même numare e despois há os ke têm Ózaima, e pra ests é sempre tude nôve.
Só kem faltô foi o Catitinha ke vinha sempre à frente dos balões pa dar uns bejinhes e contar uma xtória. Se calhar merreu! Inda êde saber isse.
Agora na se xkecem entre pó cirke e despois diguem mal. Se na gostem na comem. Né?
Mas tô apekentade cu Catitinha. Na m'acradite ke tanha merride. Cá pra mim ele tá mas é a limber os restes das panelas preke parece ke tá pa ser inxetade, ó dôs kêra, ke nem ó arrebáte do azile o kria.
Vá. Dêxem-se tar páí k'eu agora tanhe de ir arranjar um fegão a caza duma meçinha ke kenheci no Cêssebuke. Coitadinha, tem o homem imigrade e se na for um ómem a arrebecar o fegão, a limpar os bikes e a montar a betija fikem cu fegão avariade e cus tubes intepides.
Órrexadas po célebre é k'este pôve do Cirke peciza. Na perdoem. Mandem esse pôve imóra pa 70. 
De demingue já na passem.
E se virem o Catitinha apanhem as pedras ke cairem e carreguem ótra vez.

14 setembro 2013

PRÓCURA-SE DÔNE DE PAPEL IMBERREGADE


Incontrê este papel tode imberregade pó pé das Xcolas. Sabem de kem é?
A criatura deve andar apekentada com tanta coiza pa fazer.Nem tem tide paração...
 A recompensa pa kem sóber kem é a criatura é uma palete d'uiskes e tabáke à descrição. Paga o Cagalhão (de largue. Háde tá pague pás festas do ane ke vem)

 
Eu façe idéa...

02 setembro 2013

GANDA CARECADA



Ca ganda carecada! Podem crer! Um gáje vai às pinhas pa grelhas uns cábozes e xega lá e nada. É obra! Nem um penhêre? Tude despiulhade. E agora? Onde é kus cocós  se vão abaxár p'ápanhar aguelhóta e ôtras coisas? E pós ke arrêam p'ápanhar murangues? E se vier uma nortada do lade das antenas como é? 
Estes irmões andem todes tontes. Kerem é denhêre, é o kié. Vejem lá se pensarem nos cocós? Este pôve na sabe ke com arêa arranha? Palavra d'honra. Na pensem même nas criaturas. E inda batem ca mão no pête a cantar akelas cantigas.
Cambada de mamões é o kié. Inda guestava de saber se guestavem se fosse com vocêzes. Com tante dezimpregue kerem acabar com mais uns imprêgues. Ond'é k'eu pósse ir bescar uns penhókes pó fegarêr? Óguém sabe? Pois... a Pataias né? Haja gazól. Inkuantu isse kem já s'abetuô ó denhêre dos tristes dos penhêres? Adem s'amestrar.
Penhêres pa cabenca é o k'alguns marciam. Há gente ke neste invérne já na compra lanha. Ó não! Sé k'era béle. 
Ó xpertes, ó na vanham cá!

22 agosto 2013

AFINAL O CAGALHÃO NA KER IR PRA BÁXE E A CICLÉTA FOI Ó ARRANJE

 
 
Êa, até k'infim! Akuaze ke na dava ca Praia! Inda vânhe agueniade de tantas levas de mar c'até os intrefolhes batem palmas. Ó se calhar já tô a xtranhar a terra. Admira-te...
Se kizerem rabeçádes e máçes de tabáke d'Ábra Sódita diguem, ke preki até já os côme ó lanxe.
Mal xiguê a Lejbôa e intrê no tákçe, lógue o xófer kemeçô a falar de trapaças das pelítekas e disse-me coizas munte impertantes do Burre da Xcóla, ké um grand'i ómem e tude. Xkeceu-se foi de dezer ku Burre da Xcóla era patrão do filhe do xófer. Só alcapenagem em ação...
O k'ele na se xcondeu de dezer foi ku Cagalhão Mór tamém ia na pecissãozinha do senhor, ó seja, infiô os dêdes pa boc'ábáxe e pus vistes inda na toca cu dêde em nada, o ke significa k'inda cabe cóké coisa n'ózebêra. Coitadinhe do triste c'uma fertuna nos Farelhões e mêm'assim na xêga? Tanhe a impressão é que na quer uma farda à Izáltine... Ó espertes ó na vanham cá!
Iste faz-m'alembrar uma xtória kóvi no Japão k'era assim: Er'uma vez um Cagalhão ke teve preze na barriga duma velha gorda tante tempe, ka velha já nem kemia só pa sestentar o Cagalhão. Ficô de tal manêra ca velha já pagava renda ó Cagalhão. A velha xamô a peliça e disse pa estes tirarem o Cagalhão dela pra fora. E apezar dele rabiar, ele saiu cá pra fora. Caiu na retrete c'mó ma bazuca e de lá já ninguém o conseguiu tirar. Pior ficô a velha k'agora cu Cagalhão do lade de fora tá toda rota pe dentre e pre fora, levô más pontes có Castele Branke nos saltes pá pexina. Ficô tão duentinha c'agora tá in coma e nem se mexe. O Sô dotor diz agora ke só safem a velha se for pa lá pa dentre óguém ke na contamine a velha preke xterke dakela cor é pior ke peçonha de lacráu.
 
Guestarem da xtória? Impertante, não é?. Destas não haviem nos livres do Avôzinhe, poi não?
Ar e vente k'é mê sestente...
 
Parece ku Burre, más uns tantes, kriem ku Cagalhão fosse pa pia abáxe mas em vinti anes ganhó pé e ingressô de tal manêra ke nem à marreta ker ir pu rále abáxe. Parece um pé de gále inxáde. Agora ke saiu da toca anda tôde têze, inxáde k'mó Pampas, até já anda a kerrer pa rua com ôtres cagalhões, ó kié... É um simpátike, mete mede ó suste e já xêra a môfe mas é um fotogénike o nosse Cagalhão.
Xke tá uma perrada surda, uns xke kerem imperrar o Cagalhão pa sarjeta abáxe e ôtres pó pôr ó percôçe do Burre. Iste tude entre cagalhões da mesma caldêrada, ófará se na fosse... Anda tude apekentáde... Dêxem krexer as unhas, não as comem, andem, ké pa se saber tude na rua dessas perradas do Burre, do Cagalhão e da Cicléta.
 
Pe falá nisse, ôtra grande nevidade é ka melêta do Burre é a Cicléta. Éia a Cicléta, à ó! Agora ke foi à recóxetagem tá bem cromada mas inda tá toda impenada na tá? Muntes trambelhões e cambalhotas por essas ruas fora na dão pa xconder tante sepápe no selim. E ninguém na s'alembra de côm' era a Cicleta. Esta parece ôtra mas depois dum olhar mais atente a Cicléta é sempre a mêma. 
Mas kem na s'alembra da Cicléta? Dáva bálhe. Kem não aprendeu a andar na cicléta? Havia alturas k'até dava pa kuatre, akile é k'era um intretimente. Agora é só skates e patins. Dantes não havia a Cicleta em que todes pediam montar, ker fosse p'áprender, ker fosse pa s'intreter. Andê nela pôcas vezes andê! Nem ninguém ligava ós competadôs nem nada...
Tinha uma coiza munte boa, cóker um, pobrezinhe ó rike, andava na Cicléta mas despois ôve uns kuantes ke na sóberem brincar e partirem a Cicleta e xe ke teve arrecadada num sóte, má dum V'rão intêre esquecida.
Mas pus vistes óguem foi ó sóte e decidiu restórar a Cicléte. Trekarem os pneus carecas, trecarem as medanças e os travões, uma pintadela e tá impecável. Óliópsse!
Ma na se xkecem k'uma cicléta não é um piane. Dali só sai fume de pneu e barulhe dos travões.
 
 
 
Agora xcangalhem, ótra vez a Cicléta, na se xkecem. Iste já ninguém dá valor a nada. Uma cicléta hoje na vale o même ke valia à vinti'anes.
Dêxem-se tar pá aí keu tô práki, já nem há xtrangêras! Tanhe de me contentar cumas palekas d'Alcains ó isse ó haja braçes...
Iste é ke vai uma crize!
 
 


10 julho 2013

OS PÁTES JÁ FAZEM FILA INDIANA



É obra ah ó! Na se pode ir a terra e é só nevidades! Nem no Kerrê da Manhã vêm tantas netíças....

Mas o kié iste ó! Ma même sére com tantas dívedas e inda à tanta gente a krer pegar na Caza d'Ávenida? 
São más cás mães! A gente nem sabe bem kuantes vão ó mar ó não mas pas nossas contas já vâmes in sete. São même sete? Calha bem... Dá conta certa pó numare de pelêres despenívéles. Era bom k'óguns destes tristes tivessem pelêre mas se calhar nem eles votam na su lista...

Parece k'andem p'áí uns patrecinadôs ke desserem ke pagavem as campanhas mas ó ke parece a corda inda na xigô à terra e tá tude imalháde. Metem-se ku Ilétecista e cu Mintirôze, querem o kê?
X'ke as listas da xeminé são acamadas e xk'anda tude partide e apekentade. Só listas e inlês e na mãozinha tamém é só inxentes: atão o Capitão Bétinhe já é independente? É obra! Por acáze era bom k'ele fosse ke já não o oiçe falar dendes do tempe do Alkapóne, nem bom dia, nem nada! Deve ser do ábite de condezir barkes grandes no mar, in terra tamém tem um ke mal cabe nas portas, por isse tem de tar sempre cum olhe no burre e ôtre no cigâne. Afinal tem descupa pa ser um má móde. X'ke c'agora anda a contar as áugas. Foi o ke me desserem. X'ke o virem kuns papés na mão e a bater de porta em porta. Se calhar é verdade... É um simpátike a krida criatura...

O Batutêre tamém na sai da gaiola, ninguém dá por ele. Mal sabe ele o k'aí vem... É tude ás trunfes... de largue!

O Rê das Hortas é ke dá bálhe. É pespétes, é na rádio, nos jernais, no Cêssebuke e tude e tude... Só falta andar pa trás e pa diante ku Má Cara pa todó lade. Ma na sê, é capaz de ter muntes vótes. O pôve tem pena dos alajadinhes. Na virem? A criatura tem os olhes desvirades. Foi óguma tromboze mal curada. É a vida. Ninguém sabe pó ke naxe.

E p'ácabar já virem os cartazes nas retundas? Ó já não os conseguem ver? Eia aí! Parecem akelas talavizões dos cafés. Só falta falarem. Eu a pensar kus coirões iam s'ingalfenhar cus cartazes do Rê dos Pezitóres pe serem incarnádes e afinal imbirrarem cus do Burre da Xcóla?! É obra! Fizerem-lhe uns bigodes à Hitlar e à Róflim, ó kié. Ele nem nunca uzô bigode! Kerem vocezes ver ke foi ógum antigue impregade ku kis xamar pu nome e teve mêde? Mas tem de ser um gandúle. O pikêne rike até é tão falador e xk'ajuda os pobrezinhes a imigrar. É bom pikêne, uma alma caridoza mas se na lhe xigar ó bolse tá kiéte. O má móde tá lógue acamáde.
 E as menhés dos xambres tão todas têzas! Xke o Burre já disse ke invês d'inxer os hotés, primêre enxe as do Bairre dos Pescadôs e as da Rua Águsta. Tá sáfe o Rê dos Xambres... Já na bastava ter tude abeçade à pedra k'agora anda a pedir batatinhas a tude e todes. Ele e a famíla dele tamém tavam bem era àpanhar murangues...

Olhem ke ninguém precebe o Burre. Xke tá sempre a femar. Atão se vai pa xaminé kriam o kê? Só se kriam ke s'imbedasse com uíske dia sim dia não. Tão-m'a dezer ke tamém gosta de conháke. Prontes. Só kem na tem denhêre é ke na tem viçes.
 Ke gente alkevitêra e cordelhêra. Ninguém percebe os rikes. Ninguém percebe k'esta gente foi fêta pa mandar nos pobrezinhes e por isse é k'ele ker ir pa mandar. Menes k'a ninguém! Só se na sabem kus pobrezinhes na se guevernem sem as migalhas dos rikes? Ke rikes, burres ó xpertes, são sempre rikes e são eles ke mandem tude pá rua e xtralicam cas pikenas novas. Este ka xperteza ke tem, façe idéa, até o Cente d'Impregue fica intepide p'uma semana. E ke se ponha à tabela, cas de Lesbôa impranhem má depressa, é melhor pô pá parede, có senão era uma desgraça e uma pôca vargonha nesta terra.

Contarem os pintaínhes do retrate? São sete e vão atrás da Pata Xóca. Xk'a Pata Xóca gueverna tão bem a su cazota ke na sabem se lá xeguem más ke 3 ó 4. A ver vames. Kuantes mais saírem de trás da Pata Xóca maior será a barriga da rapôza.

Dêxem-se ficar in caza. Cuidade cu calor e na se xkeçem ke se na fosse a leva de mar à Pinoca do Má Cara tava tude mertinhe com tanta fome. Abençuade xtrangêre ke se na fosse ele na tinha d'imbarcar a limpar purões.

Até cóké dia seus moinantes.



30 junho 2013

NEVELA BRAZILÊRA FILMADA NA PRAIA

 
 

 Atão seus azíles? Ind'aí andem? Inda na forem pó Canadá, c'mó ôtre? Tá tude rike atão?
 
  Vim aki ó mê brelóke infermative preke despois de ter atrakade ó pé de Macêó pa ir bescar um carrêgue de madêras das Amazónias pá Inglaterra atão não é k'apanhê uma nevela nova brazilêra e ke tá a ser gravada na Praia. Sim na Praia! Na nossa terra impertante! AH, na sabiem? Mas o ké ke vocês sabem seu caras sem timpêre? Pa na dezerem ké mintira gravê um cadinhe da nevela pa vocês verem ké com gente da Praia e tude.
Na kriam má nada? Só se pensem ké só o Tonhe do Restórante e o Beléu ke sabem fazer tiátres. Tiátre e do bom é nestra nevela. Mas kuais pescadores e remanes? Kremes é remances, cordelhices e xigadélas.
   Esta nevela xe ké uma coiza impertante. Um grande remance ke faz todá gente ficar inkemedade e com vontade d'órinar. Xke ke se xama Metade da Laranja. Xké melhor cá Graviela, xê d'inxentes, inlês e d'alborkes. Eu só vi um cadinhe e parece do melhor.
 
Tomem lá um cadinhe da nevela ´´ade xtriar, koké dia, aí nessa terra impertante linda k'mó sol. Akuande acabar de descarregar esta leva tamém vôn páí.
 
Dexem-se ficar.
 
 

08 junho 2013

O ALIFANTE JÁ S'ASSENTA


Pa kem nunca viu, x'ke foi uma coiza impertante. Um alifante assentade numa cadêra e a fazer barulhes pa boca e tude. Se sóbesse ke na se pagava belhete tamém lá tinha ide ver o xpétácle.
Eu só sube preka a nha sebrinha gosta munte d'alifantes e foi ver o cirke. Maz a pikena é uma tonta e na sôbe contar nada. Só sube dos premenores todes kuande arrecebi akele jernal do Lídar, ó kié. Na sabem? Akele com muntas cores e tude. Esse é ke vinha cu alifante na capa. 
Vinha lá dezide xk'até terra iem impestar pa plantar temátes e pipines. Uma rikeza.
Uma alifante realmente na pecisa de temates e pipines mas realmente kem é ke hoje dá óguma coiza a óguém? Pedia impestar tamém o xtrume, ke cada pazada deve fartelizar dois ó três órtas.
Sé k'era béle e benite.
Já virem um alifante assentade? Eu já vi. Se na virem têm miuntas ócaziões pa ver. 
O cirke vê pa ficar.


03 junho 2013

ABÉRTES OS JÓGUES ALKAPÓNIKES NA NOSSA TERRA LINDA K'MÓ SOL

Atão seus tifes cebráis? Tude órráite? E das émerróicas tão melhózinhes? Há agora uma pemada munte jêtoza fêta com áugarraz. Xprementem.

Na pode uma pessoa ir pintar o convés dum pitrolêr à Nigéria ke kuande xega é só nevidades!
Óguém sabia k'os Jógues Alkapónikes tinhem side abrides pu Rê Tontinhe? Na sabiem né? Nem akuaze ninguém. Na fosse a nha neta tê side xamada pa ir ó campe de fetebol pa receber uma coiza kóker nem eu sabia.
X'ke foi uma rikeza. O Rê a kerrer, ca cabenca ó lade, ca feguêra na mão pa frente do mar, devia tê side netiça c'mó amaricane da onda à Pinoca. Ma na foi, uma pôca vargonha. Nem desserem ku ómem s'altarô pa paz e p'armenia dos pobrezinhes, alés. Xk'até ia xurande. Tava inkemade, a criatura. Façe idéa. Mas kuande apanhem o ómem, à má fé, nas bombas de gazelina dakela terra da ginjinha só pó multar já tá tude bem, né? Iste na se faz. A criatura já na tem denhêre pa pagar a ninguém e inda lhe pedem pa pagar uma multa pur andar à carrêra? Uma pôca vargonha, é o kié! Inda dizem ke kem vai pagar é a Cambra. Uma camada de mintirózes e cordelhêres é o k'esta terra tem.
Só se na sabem ka culpa foi da vuáture k'a dexer imbala e só a travar é ke s'aguenta nos dezentes. Mas kem mandô fazerem uma xtrada a dexer dakela manêra? Mas pa ir à cidade é pecize ir p'akelas terras mal trajózas? De caçelhêre era má benite e ó mênes na tava lá ninguém pa filmar. Inda pra mais a criatura na tá habituada ó carre. Pa kem anda habituade a andar em jipes, motas ofrecidas e xáçes velhes não é fácil andar em carres dakeles. Mas kem impestadeu um carre dakeles ó triste? Só se criam ke se matasse! Dizem ku carre é do Rê mas agente na s'acardita preke nunca akela vuáture passô pa frente do mar, nas mãos do Rê.
Mas voltande ós Jógues Alkapónikes, foi uma rikêza ver o Rê a kerrer, ca feguêra na mão, e o Burre da Xcóla de fáte com betão doirade, ó lade e a fazer de conta ke sabe dezer bom dia ó pôve. 
Nunca se viu este pôve tantas vezes à frente do mar. Inda fazem c'mós ôtres ke gastem as pedras do passê. E despois d'Inverne é xkerregadela de três em pipa! Ája braçes e pernas e bacias arremendadas!
Olha ke na têm mede duma leva de mar k'us leve pa lá do peção. Mal impregades...
Dêxem-se tar p'ái àpedrecer ke kuande tivermes más nevidades agente vem aki códelhar más um cadinhe. Combináde? Na se xtraguem más, tá bem? Olhem as duenças do tsã tsã. Olhem k'inda não há bacinas. Despois diguem ke ninguém avizô.



21 maio 2013

PA'INTRÁ NA PRAIA SÓ COM PERTAGEM


Atão seus medônhes, infadônhes e tudo kuante é mau? Ind'aí andem? A gentre preki tamém. Saudínha é o ké pecize. O reste cura-se com droga!
 
Vanhe aki só um cadinhe pa córdelhar com vócezes uma coiza k' ind' ákuaze ninguém sabe. X'ke ind'antes do V'rão vão pôr pertagem pa nossa terra toda, xk'até na Pardanêra põem pertagem e x'ke custa uma fertuna porca!!!

Na imág' in'rriba, podem ver a nova pertagem do Seberke, xké pe ser o destine mais prócurades por ótemóves pa s'amandarem e lógue a seguir precóza duma onda, ó kié! Kas recêtas desta pertagem espera-se conseguir alcatruar os burakes tôdes do Síte (agora na se eskecem d'alcatruar o cêsse dos ôtres três ke fazem de conta ke vão kerrer e vão brincar cas xótinhas uns dos ôtres), x'ke tamém tem de dar p'árranjar os cantêres do Xófer da Junta, a vivenda das sintrinas do Sô Nunes e as lojas dos marjavantes. X'ké tude em troca de cruzinhas, na pecebi mas desserem-me antrelantontem. Mas inda vames apurar isse tintin per tintin. Da gente ninguém faz pôke. Na kriam má nada os azêtes!?
 
Mas iste na fica por aki! Sé k'era béle! A Pardanêra fica ca pertagem más cara pa xpantar os turistas dakele fim do munde. Ninguém maréce kenhecer akeles aziles... Sejêtes a serem atakádes à pedra, ó pior...
 
Pá Praia vão pôr duas pertagens: uma ó pé da Ponte da Barca e ôtra ó pé do Parke de Campisme, de kem vem do lade de Pataias, da carrinha da pakêta. Essas pertagens vão servir pa pagar os ordenades do Xótinha d'Oire, do Mamão das Missinhas e à Segunda Dama. Kó senão na se guevernam com mênes de mil contes per mês.
 
Só tá mal fête é iste na ser pa tôdes. Havia de ser pa tôdes mas pus vistes há kem na vá pagar. Parece ku Batutêre do Subertude já tem um aparêlhe na vuáture pa na pagar. X'ke faz parte do contrate cu Rê tem com ele pa peder ganhar as inlenções. X'ku Batutêre vai pá guerra mas xké só precóza do Rê dos Dezimpregues e do Ilétecista da Pardanêra ke tante lh'arrebentarem o célebre k'ele vai sair tôde nêgre, mas kus bolses xês de fixas. Tude pó Burre ganhar, có senão vai tude preze. É tude amigue do pôve dendes ke corra pá terra có senão fica tude in caza a xcaldar os pés com áuga e sal.
 
Kem kizer fegir às pertagens só tem duas hipótezes: ó faz c'mó Batutêre ó intão uzem a Ladêra pa ir pa Pataias ó intão assubem a incosta da Pardanêra até ó Sã Brás, se kizerem ir pó Valade. Kem for pa Lesboa o melhor é ir de lanxinha. Sim k'mássim sai má baráte.
 
Guardem mazé as muedinhas, se na servirem pás pertagens, serve pás menhés das sintrinas, ó pó Palhoça Fê k'mó Trevão.
 
Gritem à caras de catane! Gritem! Seus montes de xtêrke!
Viuládes a sangue frí e nem ái dizem. Gostem pôke gostem...

10 maio 2013

KENNY ROGERS DE FAMALICÃO LANÇA NÔVE ÊZITE



É ó, atão? Vê o selinhe ótra vez, na foi? Vá tude pá rua apanhar ar: Ar e vente é mê sestente!

A netíça más impertante, dakela terra ind'antes de xigar a Sa Martinhe, é um riaparcimente do Kenny Rogers de Famalicão mais kenhecide pu Intruja, kem nem tá tão ó raze ke nem pás giletes tem. Na sabem kem é? É ele in Famalicão e o Fernande Pedre no Valade. A difrença é k'inkuante o Valadêre cantava a "Melher da Nazaré" o Famalicuêre canta a "Menhér da Xeminé".
Despois de ógum tempe kietinhe a viver à conta e à sombra do Rê Mintirôze aparece agora, ótra vez, pa ofrecer más um servicinhe à sêta da Xeminé.
Este tá em todas: é da mãozinha, manda na xeminé e inda inventa dependentes mamões. É o même ke jegar uma tripla no totobola. Dá sempre certe. Só o Major de Gondemar é ke acertava na Letaria todas as semanas, na Guiné! Só se fosse burre! Já sabia os númares e este na sabe os númares mas imbaralha as bolas, e este até tem uma barba ingual e tude. 
O imense repertório desta xtrela em kus êzites más kenhecides são as múzecas: "No mamar é ke tá o gánhe", "Même no peder, nada côme ficar a dever" e claro o maior êzite "Alcapeniçe e ladruagem em Famalicão na paguem pertagem".
O nôve album tem o nome original "No bolse é k'ele tá bem" tem novas múzecas ke podem vir a ser nóves êzites, dos quais se destacam: "S'eu na gánhe côme um balde de ranhe", "Se sabem ke vendi a áuga léve k'uma rekevêra pas costas" e "Kuande vier o kebrador de frake inda me dá um atake". 
O concerte já tá marcade, pa despois d'antrelantonte, e vai-se realizar no ótel do Iletecista da Pardanêra com o acompanhamente da Banda dos Ordinários, cuja repetação já corre mêa Praia. 
Compre o diske, vá lá ajudem a criatura k'apezar de dezassês anes de numares 1 no tóp não há mê d'ajuntar dez testões. Não o dêxem xê de dívedas kó senão nunca más sai das mãos do Rê e da códrilha.
Ajudem o ómenzinhe e facem o k'ele manda, vá lá. Dexem a criatura se guevernar. 
Dá balhe! Ajem cabencas...

05 maio 2013

É BARKE AÍ! MÊME NO FUNDE E AINDA SAI DA DOCA SECA!


Ind'há kem diga ke não há milagres. É verdade! Esses pretestantes mal trajózes andem p'aí a dezer ku barke já foi ó funde mas pus vistes même xê d'áuga ind'é capaz de sair na Festa do mar. Sé k'era béle!
Kuande tude já pensava ku barke tava mais ke rôte, atão não é ka companha do barke do Rê dos Piratas saiu hoje à rua. Olh'ós anes k'este pôve na méte os pés de môlhe e lógue calhô hoje m'aparcer tude pa praia à dentre, même no dia em ke fui fazer a primêra kêmadela na vrilha, pa xtrangêra ver.
Kôme se póde ver na imagem, a tropa fandanga ia toda diretinha, uns a remar pa xtibórde, ôtres pa bondóde mas o barke lá ia, àrrejar pu xão, mas davagarinhe lá ia. Os andores e os anjinhe tôdes munte bem infêtades. Até o sô prior ia bem trajáde! Uma rikeza!
E, pus vistes, na sairem sózinhes preku Rê dos Mintirózes xe ke pagô o gazóile pós ôtres barkinhes saírem pó mar. Num dia de calor como este ele não ia perder a opertenidade de pescar um cadinhe, pode não apanhar grande coiza mas o ke vier à rede é pêxe. E, côme já é tradição, tude kuante mete santinhes na pode faltar o Grande Irmão, más kenhecide pu Rê dos Mamões e dos Irmões. É uma grande famíla, só em irmões é um fim do munde! É só irmões e filhes de pais e mães difrentes. Akile, antigamente é k'era um forróbodó!
Mas agora pregunto eu: na pediem fazer iste nôtre dia? Vêm uma pessoa cansada de trabalhar nos férribótes e xega aki e nem na Praia tá segáde. A nha cadelinha, prekóza dos feguêtes, cagô-se umas três vezes. Já virem bem só o trabalhe de kem for apanhar o xterke da nha cadela? Uma pôca vargonha!
Tô cansade da nha cabeça com tanta trapaça, tante apite e xêre a naftalina ke mal xiguê a caza tive de mandar a carga ó mar có senão na m'assigurava em pé.
O k'este pôve faz pa continuar na panela! E o Xófer da Junta? Virem? Um impertante, xe k'até já insina kurses de xófer. Dá bálhe! Um xpérte intlegente, na fosse assim e o filhe tamém na seguia as mêmas pizadas de xófer. Kóke dia têm d'abrir uma nova praça de tákçes só pa eles. Olha! Abram na Cela e frétes só pó láde do Guizade!
Mas eu só kria dezer ke tava tude munte benite mas se kizerem fazer trapaça façem na caza deles. Preke num dia deste levar com feguêtes, bezinas, xêre a gazóle e más módes acamádes. Avia de cá vir o Gaspar e meter este pôve a pagar imposte. Vão mas é pá Vitória e na cansem ninguém! E se pederem, aluguem um bangalô, ó ane, e fikem, pre lá ke já tá tude cansade de tanta ladruagem. Seus xulas!
E pá próxima, tirem o bárke do peção ke sé pa ir ó funde ke vá de vez. Ku xêre a lôde já me tá a fazer intrar melgas dentre da sala de jantar, e de noite fike tôde merdide. Tanhe de comprar um fufu ma matar esta bexarada toda. Não é tarde nem é cêde. In vez de comprar salte mas é à baranda do mê vezinhe e vô lá bescar um k'ele na deve dar por isse. No pôpar é ke tá o gánhe!
Dêxem-se tar e não inkemodem ninguém. Ovirem? Má ninguém! AH cansadores! Moinantas!

26 abril 2013

TOICINHE É ACAMÁDE!


Despois duma carrada d'anes passádes a sêta, pus vistes é toda a mêma.
Ó fim de tantes anes a kemer tude e tôdes, c'mós glutões do Préste, é vê-les estikades c'mós lagartes, de barriga virada ó sol, de cigarréte no cante da boca, e na mão o kepáziu d'imprial, côme sempre na Catedral da Alcapenagem.

Este poize já era kenhecide pe ser frekuentade pu Ingenhêre Rôba e Corre Tude e pu Vitinha da Bata Prêta. O Xótinha D'Oire tamém lá ia munte até ter leváde cartão incarnade do Rê Mintirôze ke não o cria a fazer figura de moinante e de batutêre, pa kem passásse no pardão. Despois duns tempes na tóca, parece k'agora já pode melhar os pés, ótra vez, e voltô à baze despois d'atestar o depózite e meter mais umas pó kerrícle.

Esta taberna é guevernada ca barriga inkestada ó balcão, mas cuidade kas barrigas são tão grande ke kóké dia ninguém xega à restadora pa fazer trókes e despois na s'admirem se faltar denhêre. Infim, é uma caza sem gueverne ke kóke dia derretem-se à perrada. E eu ralade!!

Os galifões, apesar da crize, andem tão impaterrades ke só se mexem pa keçar a lombriga. A nova akezição parece ké o Burre da Xcóla, ke dá bálhe dos cigárretes. Deve andar apekentade da companha com kem s'ajuntô. É tude intlegentes. Inda kóké dia s'ade ver um xtrangêre kokér a intrtegar um nóbel a este pôve tal é a influencia da cevada nakelas cabencas. Óguns até já aprenderem a atacar as sapatilhas. Não há pai pa este pôve!

Um bárke sem leme, kum arrais bêbade e uma companha galifôna ke só vai ó mar kuande sabe ke vem uma rede xê de pêxe. É obra!

Tão perte do pardão e na são capazes de kerrer um cadinhe, alés. É ke nem os ótemóves e as motas fikam longe. É ali même ó pé do Turisme. E peliças? Tá kiéte! E na têm vargonha de dezer ke são a favor dos parkimetres, alés?! Assim tamém eu! Paguem tôdes menes eles. Ó xpértes ó na vanham cá!

Pu tempe k'ali passem aviem de pagar pertagem, ó um imposte de cargas e descargas, peluição vizual. Koké coiza, dendes kus fizesse ficar in caza kas menhés. Assim, ó mênes na batiam ca cabenca nas portas. Tante eles como elas...

O Talon é ke se conçelava kon este pôve. Tanta gentinha a merrer à fome e este pôve kom estes corpes sem gueverne. Intremiada era akamada. Tanhe a impressão ke já se pôpava pó almôçe do Círio da Senhô da Vitória uns vinte ó trinta contes de febras.

Abençoada terrinha, ke se pedesse albardar os burres ke se vêm por aí na xigava a fertuna da díveda da Cambra pa pagar as albardas.

Fassem mazé k'mós urses e c'más cobras. Já ke têm a fama ó menes ke tanham o prevête. E k'me são têmózes, façem tudo ó contráre.  Ibernem de v'rão e só saiam da tóca kuande óguem mandar. Tá bem? Até lá xcondem-se bem xcondides ke kóké dia, ka feminha ke pá í anda, ainda ves hê-de ver a ser inguelides pum kokér xfómiáde k'ade arrancar, cus dentes, o imbigue a esta gentinha impertante.

Abençuades fosses os esfómiádes! Na se perdia akuaze nada s'inguelissem esta gandelagem...

Xulas Moinantas! Cavalas muídas!

Inda ker este pôve guevernar esta terra!

Têmes bem intrégues!


15 abril 2013

NA PODEM VÊ NADA Á Ó!

É ó! Atão? Tude órráite? É o k'é pecize...

Têmes muntas nevidades! É verdade! Óvimes dezer na Praça ku Reternade mais o Carapau Sêke forem pó ma terra pa lá da Griulanda. Inda p'ra lá d'adonde andavem ó bacalhau onde x' ke tá o fri a kemêr tude em vida. É verdade alés! Xe ke forem pescar ó anzol kerride pa Turonte e pa Lamintane. Xe ke forem todes bem vestides e arranjades côme se fossem pa um cazamênte. Pareciam uns dotôres! Só bejinhes e abraçes. Xe ke parecia akele pugrama do Perdoa-me. Xe ke vierem kas malas xêas de denhêre e impregues pó nosse pôve impertante k'mó sol. Vai ser uma rikeza!
Agora sim vâmes ter tude kuante é bom. Tanhe impressão ku Rê Mintiroze já deve andar apekentade preke os treze mil impregues k'ele trôçe pá nossa terra ó se calhar na xeguem pa ganhar ótra vez. Era a manta! Ia tude pá cazóta dermi-las cum fáte à Pertimenense. 
E pe falar em malas xêas, na sabem vocêzes kem já fez as malas? Na sabem? Vão ficar injuádes! 
Atão não é ku Burre da Xcóla já fez as malas e disse ke s'ia imóra precóza do Fanhôze ke já disse ke ker o legar do Rê Mintirôze.
Xe ku Burre da Xcóla lhes fez um inxente. Xe ke na ker o Fanhoze pa sepelente. Ó ke parece o Rê Mintirôze anda a pô tude in mal uns kus ôtres pa ser ele o numare dois. E xe k'a seguir o Burre da Xcóla méte báxa pó Rê continuar a mandar, côme sempre... É só cabencas xpertas. Tamém na têm ke fazer. Têm de s'intreter com óguma coiza.
Dizem k'ele tem de largar a Krôa, mas pus vistes é só se for em primêre mas xe k'in sigunde já pode ir. Nem o homenzinhe ke caiu da cadêra era tão sáfe.
Falta saber su Fanhôze se conforma e mete a viola no sáke pa tecar só kuande o bacalhau for bom sem sal... 
Uma volta de mar à Pinoca é o c'avia de vir. Même a sério. Xe ke se na vier uma leva de mar o Má Cara na vem pa cima da pranxa e os cabazes de pêxe pôrke na põem a lota àpitar até às Festas.
E o ké ku Reternade e o seplente forem fazer ó Canadá? Atão s'eles lá dizem ke lá na dá, o ké k'este pôve lá foi fazer? Na têm o ke fazer ó denhêre? Olhem ku mê figurífe já só tem põpa de temáte e dois rissóis merdides no cante pun pirikite. Uns a passear e eu ku cinte sem mais burakes pa infiar.
A resposta à viagem do Reternade foi imediata, xe ku Burre da Xcóla já passô uma carrada de xékes e até foi ó Valade par kertar a fita na inóguração da alcatifa nova k'eles lá têm! Já nem s'usa alcatifas! Xe ke faz mal à bronkite, ó kié... Mas este pôve anda sempre atrás da carroça. Se bem k'antes atrás k'à frente. Esse legar tá reservade ó Burre. Xe ke foi uma coiza impertante. Com padre e tude! O Rê Mintirôze até xe ke xorô c'mó ma Madalena arrependida. E xe ke levô palmas e tude! Não há pai pa este pôve, com papas e bôles s'inganem os tôles...
E é o ke têmes pur hoje. Há! Esperem! Na se xkecem de passar pu barracão do Anófabéte do Fate Intêre p'ássinar os papés. Xe k'em tróca inda ves fáz o IERIÉSSE. Ajudem lá o homenzinhe ke pus vistes anda inpaxáde p'ajuntar os ótógrafes ke são pecizes pa ir ótra vez pá mamagem. O Rê Mintirôze ind'é pessoa p'ájuntar uma fertuna pá criatura ajedar à festa. 
Ábe já a boca!
Na tinha-mes já cá mamões ninhuns...

05 abril 2013

DE MEXÃO A CAÇÃO E A CAMINHE DE TEBARÃO


A Praia tá sempre em altas. Não há pai pá nossa terra linda e impertante!

Despois da onda e dos inxentes tôdes ke pr'ái andem, parece ke foi incontrada uma nova xpéce de pêxe na nossa terra linda k'mó sol.
Numa altura em ke só se vê pêxe kuande as menhézinhas vão despejar à borda d'áuga os pótes de esterke e mije, parece k' aparceu uma nova xpéce de pêxe. Sigunde um dôtor ke tirô o curse na mêma turma do Burre da Xcola e do Ervas, xk'esta é uma xpéce resultante da tiuria da ivleção inventada por um ómenzinhe xtrangêre ke já na m'alembra o nome.
Ó ke parece est'era, originalmente, um derivade de mexão mas despois de kemer na foz o lixe ke vem d'Ókebaça e da fábreca do xêre a mal em vida, ganhô um cabedal k'eu sê cá, só viste! Parcia o cavále do Tanganha a kemer, até parcia ku munde tava ácabar! Tem tide uma dieta de pexinhe pikenine, camarita e lula e agora é um caçãozinhe com duas cabeças e kuatr'ólhes.
Se kum ôlhe já s'é Rê numa terra k'má nossa, imaginem agora com kuatre. Kuatre! Sem contar kus irdêres ke paí andem.
Uma boca inliadêra e prigoza disse-me à xuxa calada, ke viu a famíla ó cante das pedras, infiades numa lóca pa ke ninguém dê ku pexêre.
A xpéce, apezar d'andar sempre perte do reste da companha, parece guestar de fazer criação com kóker pexinhe ke lh'aparcer pa frente. É kenhecide mesturas com Julianas, Rébagues, Sefinas e até Cábozes.
Óke parece este parece ser um compertamente normal e bem acête preke a fêmia na s'importa e o reste da criação, inkuante vier kemer pá meza tamém na parece s'impertar munte.
No tempe da dezova são k'más inguias e vêm pu ri acima pa dezóvar ó Bairre x'Pescadôs. Ninguém sabe bem kômé ke lá xegarem os cações mas pus vistes vierem pu jgôte arriba e a maior parte já na sai de lá até ter um corpe c'mõn cavále.
O même cientista já disse ke se continuarem a kemer assim podem bem passar a tebarões, no mínime, a  tinturêra. Iste preke é um bixe de munte sestente. Podem même ser tantes cações no nosse mar ke kóké dia na xega espáce pa más pêxe ninhum. São más kás mães...
O Rê despois de ter kenhecimente desta nova xpéce já lhes arranjô um xalé nos recifes arteficiais prek'ó ke parece o mar, pós lades da fêra, anda munte altaráde.
Já kizerem meter o bexinhe no guinésse pre ter duas bocas i kemer c'mó ma draga. X'ke na vale a pena.
É melhor kemer à calada. X'k' às vezes parece um bankete! É pá menina e pó menine ó-ó. Dá pa tude. E tante pexinhe a merrer à mióca da lama e estes com duas bocas a kemer até má não.
Não há dirête! Haverem d'ir bescar o cábe de mar e arrebecá-les pá pexina da Xcóla do Calhau. Já ke na serve pa má nada ó mênes na xatiavem ninguém. Era só lá pôr a ração e ficavam todes têzes e na xatiavam ninguém. Mas sem ração é k'eles na passem. Sé k'era béle!  Xta cão, ó menhor, Xta Cação! Assimhá cação k'ingorda k'mõ lêtão!

16 março 2013

É SÓ FERTUNAS AMANDADAS DO SEBÊRKE ÁXE

a

Atão camá d' varêjas? Inda são vives? Inda bem pó kevêre! Assim faz mênes barrocas...

Na têm viste o Rê á'mandar fertunas do sebêrke abáxe? Akile é ké um xpétácle! Uma coiz'impertante pa xtrangêre e cordelhêre ver. É verdade! Parece ku Rê tá tonte da cabenca e anda átirar uma fertuna, mas à viva! Não é pa tôdes. Parece ke tá uma fila ó pé da pedra da panela à xpera do denhêre ke cai do céu. Xke forem avizades com antecedêcia prek'ó senão inda contavem ó pôve as trafelhices ku Rê tem fête estes anes tôdes. E akuaze ninguém ker isse.
Xke tirô os mamões da têta mas depressa arranjô um bib'ron de 5 mil litres pa pederem inxer a pança. Kôme tamém é normal (e kem kria pórkes sabe k'é assim) há sempre um ke fica sem têta. Parece k'este caze é ingual. Pus vistes um dos três perkinhes já na mama má nada. O ke mamô já xigô pa pagar as dívedas da batota e agora é imbarcar se kizer. Sé k'era béle! Akuaze ke nem ler sabe e já tem pescôce de métre. Sestentar até certe limite despois é mandá-les pó tálhe.
Mas pus vistes os k'ainda têm têta vão mamar más um cadinhe. Xe k'ainda na dá pa pagar as cazas e os carres impertantes, os fates intêres e os fátes de carnaval do reste da companha.
Inkuante o Rê tiver lá in cima vai cair sempre denhêre p'ós ke tão à xpéra dele ó cante das pedras mas pa kem na tem óturização de xigar à borda, kôma arêa k'ájuda a desfazer solas de sapáte. Pós famintes não há nada, nem um testão, uma esmelinha ó mênes, p'le mênes por agora. Kem tiver mal ke vá dermir pó pé das lanxinhas k'um dia, se calhar, inda levem um lanxe e uma bedêra no Stela Máres pa pagar o vótezinhe, k'iste é même assim.
E não é só! Pér'áí na te váz imóra! Parece ke, pus vistes, tá tude rike pa pagar tlefenêmas pa saber coizas dos vélhinhes! É verdade alés! 
Tlefenárem já duas vezes pa cáza da nha t'Incarnação a preguntar coizas e nomes k'ela coitadinha na kenhéce. Só foi à xcóla dois mezinhes, na teve tempe d'aprender os númares e as letras. Só sabe ver onde tá a xeminé, de kuatre em kuatro anes. Mas ódespois eskece-se, coitadinha da velhinha. 
Mas kem é k'anda àpekentar as criaturas k'akuaze na se podem alevantar do sefá com tante rómátike, pa ir atinder o tlefóne? Olhem k'inkemódem as criaturas só pa meter ó bôlse. Pa dar nada! Tá kiete! Ó contrário d'ôtras coizas kuande se fala em denhêre com este pôve pa'intrar é um vê se t'avias mas pa sair? Tá bem tá! Nem k'um pexão pa ózebêra ela se descóze. Tem um kerdel com duas dobras a sigurar a ózebêra. Na kriam má nada? Mamar não é pa tôdes.  
Falta saber kem paga os tlefenêmas. Kés tu ver'este pôve é do Méu, ó kié, ke tem tlefóne de graça mas só se pagar uma fertuna?! Se calhar na têm ke fazer e precizem de s'intreter. Se na têm ke fazer brinkem ca coizinha. Ó mênes na xatêm ninguém!
E se dessem esse denhêre ós tristes ke na têm nada pa kemêr in vez d'andarem a rombar à grande pa pagar estes e otres inlês? 
Dêxem dar kem dá! Ó mênes não apedrece nas ózebêras dos póbrezinhes ku iam gastar em grades de mines, tabáke d'inrrelar e xócapik.
Té kóke dia. Dêxem-se tar kietinhes em caza e não apekentem ninguém. Olhem! Deu na tlevizão ke numa terra kóker uns homens forem ver o fetebol ó café e um deu um tire ó ôtre, só pe dar um pontapé nos artêlhes ó amigue!
Dêxem-se tar em caza k'iste na rua tá um prigue, e assim k'm'ássim na vêem a pôca vergonha k e tá à frente do mar ke kóke dia a estrada parece o caminhe vélhe das hortas ó pé do Centre de Saúde. 
Essa é ké essa!





10 março 2013

ÁUGA KERTADA SÓ PÓ NATAL


Ind'aí tão seus inxamardiades? E eu a pensar ke já tinhem tôdes imigrade pa Lamintane! Vócezes é ke sabem. Dexem-se cá ficar có despois na se kêxem.
Prontes. Despois do dezabafe, pre cima, sim preke tamém tanhe dias ke dezabáfe pre báxe. Como hoje por ixemple. Despois do transplante da figadêra desserem-me pa fazer a redagem do ikipamente e p'le mênes ó fim de semana tanhe de desvirar o buxe uma ó duas vezes. Dizem ké bom pa limpar. A nha sorte é ke na págue áuga kó senão na me xigava o denhêre ke pésse impestadéde a kem m'aparece pa frente. Só in descargas ótóclisme era uma fertuna!
Pe falar nisse... Atão não é ke despois dos mês imbarkes pós ferribôtes da Griulanda e da Noruega tive ke tempes sem vir a caza, dêxava a nha filha e o mê néte me virem abrir as ternêras, preke deziem ke saía má barate, mas má nada? 
Iste pa dezer o kê? Ke tanhe recebide as cartas pa pagar a áuga mas ó p' eskécimente, ó preke na m'apetece pagar, dexê má d'um ane pre pagar a díveda e o ingraçade é ke na me kertárem a áuga. Eles tamém sabem k'm'eu sô. Intráva-lhes pa caza àdentre e até o xampô deles me tinham ke dexar uzar kó senão era a manta.
Pois é! Xe ke na cortem a áuga ós ke na paguem. Pensava eu ke tivessem só mêde de mim mas afinal parece ke mêa praia se xkeceu de pagar a áuga e o esgôte. É esta crize k'arrebenta ca cabenca das criaturas. 
Eu tamém precebe, atão o Rê deve a tod'ó munde e vinha agora kebrar áuga, sejête a ser amassáde. Eu fazia o même. Assim k'm' ássim tamém não é a ele ke se deve. Ó xperte ó na vanhe cá! 
O pior é ke parece ke ninguém ker saber. Xe ké precóza das inlenções d'Ótubre, xe ke já anda tude apekentáde. Xe ke desta vez na pódem premeter nada e k'ó mênes dão áuga. Inda só mênes fosse vinhe! Mas prontes fike más contente pre ver ku Rê e a sua companha tá a trabalhar bem. Antes de vinder a áuga ós amigues da Batalha, ke deve tar marcade lá pa despois das inlenções, andem agora priókepades é em comprar vótes e meter p'le mênes 20 listas pá Cãmbra k'assim ó menes dá pa continuar a mamar más um cadinhe e evitam despesas pa Álcuentre, k'eu tão bem kenhece... Mas na vames falar agora de coizas ke me trazem mimóiras delerozas...
É caze pa dezer: Ráis parta a vaca ke même seca c'mo cação continua a dar lête! É às pinguinhas mas é lête! Dizem ká dias ke já vem em pó, mas ca áuga à borliú, é só fazer a mestura e tôdes bebem o lêtinhe e passade um cadinhe é só vêles àrretar c'mós pelíças bêbades.
Abençuades dotôres do cú cagáde ke não há onda ki os leve pu mar abáxe e ke os amandasse pó peção ke só averem d'arribar kuande eu mandasse! Ó isse ó inguelir órtigas, xe ke faz bem à caganêra.
Na se eskecem é ke se kertarem a áuga ó mênes dexem-me ir bescar áuga à fonte do Stela Máres. Agora não mas de v'rão tomem-se lá banhes num alguidar ké um regále. E se for k'uma xtrangêra melhor ainda.
Continuem assim, dêxem iste de pantanas k'em tempe de crize peciza-se d'ajedar os póbrezinhes. E já ké altura disse, vanhem me trazer um cabas de Páscoa k'eu na m'importe. Se cá vier parar, o vóte é garantide! Na facem k'mós da mãozinha ke xe k'andarem a dar rozas. Nesse dia ôve gente k'inxeu a barriga, ficô ca garganta ardida mas kemeu até se fartar. 
Dêem mas é felares e áuga mas com pé preke da ôtra nem pa temar banhe já presta. 
Tanhe de m'ir imóra k'eu góste d'óvir o sermão d'incontre. Tanhe d'ir à carrêra pá Peralva e com getinhe inda trague um brinde. No ane passade inda truxe uma desverciada k'incontrê no ilevador à vinda pra báxe. Nesta altura há sempre kem precise dos pés kentes. Ciáticas e rómátikes é o ke tem. Eu kôme sô uma alma caridoza façe a nha parte. Tames cá pa nes ajedarmes uns ós ôtres.
Ke na vanha nenhum ternade k'ó da Póvoa kó senão a vara d'estadarte vai parar ó Ófexóre dos Farelhões.
Adeuzinhe e dexem-se tar em caza ke kuantes mênes na rua melhor. Já nem dá pa ir xpurar o senhor na incosta do Matadôre, vejam lá bem! Inda lá fui há doiz' anes e mandarem-me imóra! Xe k'agora akile tem dône, ó kié. Eu xtranhê os sefas de cabedal e a cama redonda, mas iste andem sempre em medanças k'uma pessoa nunca sabe...



24 fevereiro 2013

CAS CALÇAS DO MÊ PAI TAMÉM EU ERA UM GRAND'I ÓMEM


Atão coizinhes tude bem? Preki nem pur isse. Eu já sabia kuande me despedi do imbarke k'ia ser uma desgraça mas inda foi pior kó k'eu pinsava. Só antrelantontem é ke saí dos Kevões precóza duma opuração ke fiz ó fígade, prek'u meu já andava gripade, e já na kêmava bem o gasóile de ternêra. Kem me safô foi um dôtor d'Alcanena ke vem tode z'anes pó sigunda andar da nha tia. Ele até trabalha no Palhavã mas disse-me lógue ke se kria ficar côme nôve tinha k'ir bescar peças à fábrica. E eu fui lógue à carrêra. Ele telefenô pa um amigue e safê-me, kó senão más valia fazer lógue uma barroca. Pre cá nem é precize. Agora até o telhade da Praça tem um burake. 
Foi este Carnaval, esse bandide, essa pesta malina, k' avia de lhe dar um cângare no céu da bôca ke só havia de kemer pu cú, ke me desgraçô. Até sigunda kerreu tude bem, guemitava só a partir das cinke da manhã e akerdava às sete da noite pa kemeçar ótra vez o fandangue. Despois de singunda é ke kemeçê a ficar amaréle e nas partes um cadinhe verde e pior, já guemitava a seguir à mão de vaca e ós dois litres de vinhe tinte. Tava impaxade. Nesse dia fui lógue à carrêra ó Sô dotor, nem fiz a volta completa ós balhes nem nada, só fui um becadinhe ó site e kuande era pa intrar no bálhe dó pé do cinema já tava fexáde, pa não ir acabar à Pedarnêra pá célebre perrada de terça vejem bem k'meu tava.
Despois d'ir à Batel temar o pikêne ómôce chamê uma abelância e passade uma óras já tava a ser ópurade ó figade e tirarem o vélhe e meterem um nevinhe dum pikene d'Alfaréles ke ficô ca cabeça infiada num mure. 
Agora tôn melhózinhe já akuaze ku corpe na pede bedêras. Devia ser um mecinhe ke só s'imbedava uma vez pe semana ó assim. 
Mas agora ke já ki tô diguem cá o Carnaval teve ógum traje? Eu na sê k'eu tava em vinha d'alhes, eu nem m'alembra com kem dremi. O mê prime disse-me ke xtalê kum tube d'escápe mas eu axe ké mintira. K'eu nessas coizas tanhe de tar a dar bêjinhes.
Á já sê! Já m'alembra! Vi o Burre da Xcóla insaiade. Só m'alembre disse. Eu ke nunca tinha viste akela pecenagem insaiada, mas já me desserem ke s'insaiô uma vez à Pierrô e ôtra á kemandante mas eu na m'acredite, era xpegáde e xtrafegade k'mon xfregão. A na ser ke tanha ide pó Carnaval da Macêra. Dizem ke tamém é munte jêtôze. Mas deu bálhe! Deve ter leváde uma injeção nas bexêxas ke se táva sempre a rir c'môn tontinhe. Su Rê já é um mal fête e mal injórkade e ca cabeça do tamanhe duma abóbra, este atão parece um pau duma bassôra kus bólses xês de denhêre. Olha alimbrême d'ôtra! Rombê-lhe do bolse uma téca de sanhas d'imprial k'ele andava a ófrecer. K'ié? Ladrão ke rôba ladrão tem na sê o kê k'acaba em ão. 
Erem só dôtores do cú cagáde. Um fedor ke na se pedia, os ke herdarem casas e rendem uma fertuna; os dônes dos ótéles e dos restórantes; os dônes do Porte d'Abrigue, os pelítikes desta terra ke só andem à babuje do ku pôve lhes dá. Eu sê lá mais kem. Tude gente ke tem as mãos in sangue de tante trabalhar. Ai se na fossem os paizinhes desta gente, por onde é k'eles andavem agora? Même kus bólses xês parece ke na xêga, kuante más ronbem ós pobrezinhe más kerem. Gandúlas!
P'ácabar era só pa dezer k'este pôve, ke m'alembre de ver no Carnaval, anda pái mas é à conta do paizinhe e da mãezinha e dóguns padrinhes, kó senão nem p'árrebecar candis eles pestávem.
Xe ku desfile é ke foi uma coiza impertante! Ai ke pena k'eu tanhe d'a essa hora tar a ser ópurade, kó senão na perdia, p'le mênes três palétes de cerveja tinha de trazer pa casa. E desta vez inda teve uma coiza melhor. Acabô ind'antes da hora do lanxe, iste pó kemércio se safar com palmiéres e barkinhes, e tramóçes pó jantar, foi uma rikeza. No ôtre dia éra uma fila pó banke ke dava a volta ó Porte d'Abrigue.
Eu p'rá ki ande até Deus krer e vocêzes na se xtraguem, olhem ke já não há akuaze barrocas pa interrar má ninguém. Pre mim na m'importe mandem-me pa Fanhais e se for munte cáre amandem-me ó ri em Alkebaça kó mênes ajude, nem ke seja uns pexinhes, ó mênes despois de môrte inda fáçe mais ke muntes alcapónes ke p'rái andem.
Xtimas melhoras!

Té cóker dia, se na nes vimes antes aparecem no Sant' Amáre, kestume lá ir tôde z'anes bescar umas passarolas pa kemer na córesma. 
Mas compre ku mê denhêre k'eu na sô mamão. Prek'u ke na falta aí é gente k'invés de comprar as passarolas pedem impestade e às vezes nem pedem, kemecem lógue a kemer sem avisar. Gente mal criada e com más módes. A sorte deles é kum mê pai uzava cirôlhas de tirilene preke ósenão tamém tinha herdade umas calças k'más deles. A nh'ávó já me dezia: "Se na fôs rike na fá mal. Veste um fate, levanta a cabeça e és ingual. E s'a barriga kemeçar a fazer barulhe bebe áuga da fontinha k'ingana a fóme. Mênes ke ninguém!

08 fevereiro 2013

ALBORKES 2013, ANDA TUDE TÔDE TÊZE!



Kom esta crize tás apekentada
Tens tude pôdre, kuaze desdentada
As ternêras já tão desligadas 
E as badanas já tão penhuradas

Tô impaxada, assim na me guevérne
Na sáfe um xambre pa kemê no invérne
Ke vanha a onda grande do Má Cara
Se tróxer denhêre póde xigar à Tórada

Eu a pensar ke íames ter Marina
Com otéles com ó mênes uma pexina
O Telefériu x'ke já apedreceu
E o pôve kiéte já adremeceu

Ai k'ingânes k'mó Totó
Fizerem diste um foróbodó
O móte é dedicáde ó Rê
Prek'é mintir é sempre fê
Kuande akerdármes desta grande tontêra
Ind'avêmes de por nu prégue o forre da ózebêra.

Dizem ku Rê tá rike com melhões
ke tão guardades nu ófexóre dos Farelhões
E o mê homem já só come mexelhões
E este mês acabô-se-me os fajões 

Même ca feminha anda tude inxáde
Tá tude rike même despois do ternade
 Su Rê tá rike e agente fome na fá mal
Enxêmes a barriga kum alguidar de Carnaval

Tanta perrada léva à Pedra d'Inguelim
Prek'as ondas à crise ãunde dar fim
Tá tude rike desda a  Falca à Pardanêra
Té no Valade há lanxes de Sapatêra

Ai k'ingânes k'mó Totó
Fizerem diste um foróbodó
O móte é dedicáde ó Rê
Prek'é mintir é sempre fê
Kuande akerdármes desta grande tontêra
Ind'avêmes de por nu prégue o forre da ózebêra.

Tá bom?
Préga!



Letra: Zé Velháke
Múzeca: Uma cóker.

PS: Atenção ke kem kizer uzar iste é só mandar dezentes aérius pó lade de cá. 
Sé k'era béle! Tude mamava menes agente?! Na kr'riam má nada!
Pobres mas sérios e assiádes.

DE XEMINÉ PA TERMÓMETRE


Despois de munta gentinha já tê dite ke na vai vetar na xeminé, em ótubre, os intlegentes já arranjarem uma manêra de fazer com ku pôve vóte neles à mêma.
Assim, a fómla utlizada foi a troca do símbale adonde se mete a cruzinha. Á poiz'é na votem na xeminé? Votem no termómetre ke dá no même e ninguém dá por ela. Tamém ninguém kenhece o Burre da Xcóla e só o Kezenhêre é kenhecide per ler as dêxas no Cazine, desparar a pestóla da Mardatona e de ler recêtas de Cabrite à Pádêre. Só há pôcaxinhe tempe é ke se tem viste na igreja. Akualker dia acaba k'mó árbite dos relójes: de bata branca no pálio do sô Padre.
Tá tude resolvide. Sim k'má sim este pôve tamém na tem partide, o partide deles é mamar até a têta secar, o ke já faltô más. Pur eles ir pa xeminé ó pun calhambéke é ingual. Dendes ke dê pra ele e pó reste da sêta, tá tude sáfe k'mó relóje.
Atão na se confundem e na eskecem de vetar no termótere do homenzinhe do chapéu. Só na tem o gabão preke no termómetre tá munte calor e desfazia-se em xterke.
O móte tamém já tá xkelhide: " Se na kés ke te faça um inxente vota no Incompetente". Tá gánhe!
Em terra de gente más ceguêta kás tôpêras deve dar pa xigar à frente. E atenção ke na dezêmes ke na nossa terra linda k'mó sol é tude burre c'más portas preke as portas nunca fizerem mal a ninguém e esta xkemalha já.
Adeuzinhe ku Alborkes é capaz de ficar em vinha d'alhes até kuarta fêra de cinzas. Só falta meter a marxa. S'até as lojas dos pirikites têm uma marxa agente tamém é gente!
Dêxem-se tar ke s'oje apánhármes uma tólada kôme deve ser a marxa faz-se in mêa hora no guardanápe d'ámburga do bálhe.
S'ágente na se vir antes até kinta! Agente vê-se no Centre de Saúde, nos tratamentes pá pneumenia do fígade.

31 janeiro 2013

NÃO HÁ PAI PÁ NOSSA TERRA!


Atão? Tude bem coizinhes? E de saúde, ke Deus tem? Ke façam tude pu melhor, é o ke se pode dezejar.
Prontes, depois da conversa fiada é hora de falar de coizas côme deve ser. É verdade alés! Inda este pôve na fez a destão da onda, pas guelas abáxe, ke já se bateu nesta terra más um recórde.
Despois de bater o récorde (ke já foi batide de largue) prevade p'uma fetegrafia dum pobre de criste, k'inda s'ade vir a ver ke mexeu nakelas coizas dos competadores e vai ser a manta, agora foi batide más um récorde na nossa terra linda k'mó sol.

Daki pá frente convém ler só kem ainda na kemeu à más de trêz'óras, k'ó senão pode vir carg'ó mar e despois na kremes ser kulpades de xtragar nenhuma ócatifa ó tapete de franjinhas. 

Kôme já podem ter viste na fetegrafia, o récorde é do maior cagalhão sem cortes do destrite de Lêria. É obra! Sim senhora. Toma lá anda e almóça (salve seja). Um cagalhão com três palmes e mê de comprimênte, sigunde as contas dum xpecialista em inxamardês. 
Dames bálhe em tude menes em barrer o lixe da borda d'áuga, ke su Cardoze fosse vive tinha vargonha na p... da cara! Mas os tempes mudam e a vargonha já é pôca...
O autor da pruêza foi, curiozamente, um pobrezinhe dos Cúkes, ke despois d'andar a passar feminha de grile, kôme grande parte desta terra, apesar de denhêre pó Carnaval na faltar, e se faltar fica-se a dever. Uma coiza é ter uma ózebêra, ôtra é ter denhêre pós ôtres. Primêre nózes, despois vózes!
Já nes perdêmes... Prontes foi atão a maior cagadela do destrite atribuída a um paketezinhe ke já na kemia dendes das sobras dos palekes da Passagem d'Ane e ke despois da onda do Má Cara inxeu a barriga inté ó pescôce.
Abençuada onda ke vê trazer kemerzinhe e trabalhinhe pó pôve desta terra. Já ku mintirôze do Rê e do Burre da Xcóla só dão mama ós rikes amigues, preke kem kizer s'aviar tem d'ir k'má gente pá Noruega, pós ferribótes ku fri a kemer tude até ó osse. Ó mênes ke vanha óguém de fora, ajedar os póbrezinhes, coitadinhes. 
Este consselôsse. Kemeu tante rébágue, tante sargue, rebale, pêxe pôrke e x'k'até uma vaca letêra vê dar ó forne d'Orca, d'onde este inda kemeu uma perna intêra! Abençuáde Xtrangêre ke se na fosse ele merria tude à feminha. 
Em declarações dadas ó Tó Manél, ke tá em todas, o pikênezinhe disse ku farnel foi tão d'infiada ke saiu da mêma manêra.
Na tinhames já cá xterke ninhum, vê más este récorde pá gente inxer a barriga, nem ke seja de tramósses rôbades à velha ke tá a dermir tardes intêras de costas pó pardão.
Aí Cagão!

21 janeiro 2013

MÓLHE NORTE ABÁXÔSSE P'ÁPANHAR O SABENETE E FOI PU MAR ABÁXE


É obra à ó?! Inda há kem diga ke nesta terra na se passa nada! Façe eu um imbarke de dois mezinhes e é só nevidades!
Mal xiguê fui lógue tratade c'mós Rês do Carnaval. Um carre da pelíça na retunda do Porte d'Abrigue à nha xpéra pa descarregar as malas. Até kertarem o trânzite vejem bem côme iste medô. Até já dá na tlevizão o Burre da Xcóla a dezer ca nossa terra linda k'mó sol é uma cidade impertante. S'ele diz não há-dem os jernalistas da Sike e da TêVêI dezer tamém k'iste é uma cidade!
Inda nem sê as nevidades todas, só sê ku farol do mólhe norte tava a temar banhe e x ke lhe xkerregô o sabenete e foi pu mar abáxe. X'kinda não o forem bescar preke o irmão do mólhe sul anda apekentade ku Spórte e xe ke na teve ainda vagar pa vir pagar o rebóke ó irmão, e tamém pe vergonha. Ninguém gosta de ter um irmão ke é apanhade abaxáde cús trazéles virades pa terra, pa todó munde ver. Só inlês...
X'ke tamém já há Rês de Carnaval não é? Só gente impertante! E x'ku móte dest'i ane é àrrazar ku Rê dos mintirózes e ca su sêta d'aldrabões. Nem de prepózite. Na deviem era pôr o TóTó ó barulhe. O homem tem d'akerdar de madregada pa ir bescar e levar drógades a Lesboa. Não inkemódem kem trabalha.
Ôtra nevidade é os arranjes nesta terra. Fui hoje bescar o jernar impestadade ó Stela Máres e não é ke vi ke já não há burakes na frente do mar? Tude arremendade com arêa, mas sim k'mássim, tá melhor kó ke tava. Na se pode dezer só mal, atão!?
Má benita tá a antiga Praça da Fruta, ó pé da Capetania, onde há mais espáce p'ágente andar sem intrepessarmes uns nos ôtres. Sem as barrakinhas há mais espaçe. Guestê! Se foi o Rê a ter a idéa atão tanhe de me calar c'agora tá tude má benite. Inté as montras tão más arejadas, ó intão é impressão minha, dó tempe ke já na vanhe à nossa terra linda k'mó sol.
Agora só m'hêde ir imóra p'ódespois do Carnaval. Na me kriem dêxar vir. Sé kera béle! Meti a carta pó funde de dezimprêgue e já cá tô. Carnaval sem vir à Praia nem se fazia! Despois lógue s'ade ver o ke s'arranja. Mas agora já só me kére àrrejar pu xão até à hora do lanxe de kuara fêra de cinzas.
Té manhã se deus kizer. Na se xtraguem. E na fassem falatório do farol do mólhe nórte. Há kem faça coizas piores e ande de pête xê de gabão a passear. - Vá! Marxas pó côrpe s'áxafor!