09 junho 2012

TOMA LÁ DÁ CÁ, DÁ CÁ TOMA LÁ...

Poiz é, já tô preze há quaze quinze dias, e já tanhe o célebre dremente e apesar do mê kelega de cabine na me dar descanse, ó ponte d'eu na kemer só pa na obrar, inda tanhe tempe de saber ógumas nevidades daí de fora.
Iste é munte difícil, tanhe muntas cãimbras, quaze tantas k'más pikenas ke s'arrebaxam aos xótinhas dóradas da Cambra.
A nha rica filha, aparceu-me, finalmente, e vê-me vezitar este demingue. X'kera pa vir no sábade mas x ke teve d'ir vetar precóza dum impregue ke lhe premeterem, ó ki era. - Á'be já a boca! Disse-lhe lógue eu, munte depressa. E áde ser com esta crize! É o cu médike anda a recêtar é impregues... 
Ela nem era pa vir à Praia, mas côme já havia uma xcressão de gente de fora pa vir vetar fizerem um desvizinhe e forem bescá-la même ó arrebáte da porta. 
Parece ke valeu a pena e ganhô o ke a foi bescar a casa. Inda bem! S'é pa vetar ke seja nos ke ganhem. Nunca vetê numa lista ke perdesse e nisse ela tem a kem saír.
Foi mal pensade, com jêtinhe a xcressão tinha vinde a Alcoentre e tamém ia vetar, se vetô tude na me diguem ke tamém não havia de peder vetar, même sem cartão haviam de dêxar...
Se Deus kizer êde ter saúde pa ir vetar nakele ke ganhar, na goste de perder nem a fajões...
Mas tô aflite preke a nha pikena m'aparceu pranha e xe ke na sabe sé do brazilêre, ó d'ógum pikêne da Cambra, preke apesar de na ter tade com nenhum pikene da Cambra, nunca se sabe, pode-se apegar c'má papêra ó k'más micozes.
Tô desejôze d'aki sair. Já tô farte! Se calhar tanhe de pagar ó guarda pa me dexar vir imóra, ó intão pesse ó advegade pa falar cu juiz pa saír, preke ke se tude kuante é ladrão anda pa rua de gravata, mênes ke ninguém. Eu cá m'êde safar... Na pode é ser o ke perdeu kó senão inda me condenam à morte, e isse na me dava munte gête.
Um últime conselhe. Na façam mal a ninguém, andem segadinhes kó senão vêm p'aki parar e se tiverem a sorte k'eu tive inda ficam k'ma mim. Ku renhó c'mó túnel do Ilvador, até faz éke! Tinha ke me calhar um pior có Tó Roxa, à ó! Até p'ra iste é pecize ter sorte. Mas ó mênes vingue-me. Na dô parte fraca, e kuande me calha a mim é k'mós cuelhes! Só na tanhe é um aparelhe ke faça um arrombe k'me deve ser. É k'me dezia a Graviela: "Eu nasci assim..."
Não há-de ser nada, p'le menes não hê-de impranhar k'má nha filha, mas ca sorte k'eu tanhe já na digue nada. Adeuzinhe e se pederem venhem cá me vezitar, e se vierem na traguem droga ke disse há já cá com fartura.

Sem comentários:

Enviar um comentário