21 maio 2012

DESCULPEM O DEZABÁFE (sem Xêrinhe...)


Agora é ke vi ke já m'acuzem de me ter vindide a na sê kem, ó kié, mas este pôve na sabe da nha vida?! Na sabe dos mês inlês? Ó pensam k'iste com esta crize tá fácil? Na tá não... Mas pós curiozes eu xplike o ke fez com k'eu tivesse este tempe tôde sem dezer o ke me vai n'alma.
Tude kemessô kuande vim da viaje, despois do 25 d'Abril. Côme já devem saber, dexê a nha menher precóza k'ela na pagava a Cabovizão e xe ke tamém sintia falta de calor nos pés, durante o Inverne, eu bem ke lhe truxe da viagem um kebertor ilétrike, e tude, mas ela, même assim, preferiu s'akecer dontra manêra. 
Puzia na rua mas a nha felhinha ficô cômigue. É uma rica pikêna na sê é kemé ke ficô ruça se nem a mãe nem o pai são? Deve ser dontra geração... Infim, comprê pu Natal um competador nevinhe pra ela, despois de tante me cansar cu Magalhães na pestava pó k'ela pecizava. Mal eu sabia onde me tava a meter!
Kuande xiguê da viaje ninguém im caza. Inda xperê duas ó três horas e kuande fui ó figurife bexcar uma cevejinha é ke vi um belhête da nha filha a dezer ke tinha s'apáxenade pum brazilêre e xe ke tinha ide ter com ele! Vêjam bem a nha vida! Já na bastava iste k'inda pe riba me levô tude! A tlevisão, o dvd, os tapetes da sala, só me dexô a máquina da rôpa e o figurife (se calhar na pedia com eles, né?). Pois bem, tude se pedia resolver s'eu na tivesse side despedide pa Reversnaite Coporeixan, sem justa causa! Xe k'u trabalhe k'eu lá fazia tinham lá flipines pó fazer e xe ke catorze arrecebiam menes ka mim. Fikê impáxade! Sem denhêre e ninguém pa me fazer o kemêr tive de me fazer à vida.
Fui atão dar umas voltas pu pardão pa ver s'ingatava óguma pikêna, nova ó velha, ó menes pa me fazer o kemer mas se fosse pa me sestentar tamém na m'impertava...
Já me xkecia! Mas ke coiza impertante se deu este fim de semana? K'ia eu a passar pa Capetania e vi uma mêa duzia de gente fêa e mal trajoza c'uns cabazes de grêles e côves e um pexinhe mal cagáde! Ó ponte k'iste xigô! Kus palékes já na vinham em ôtubre já eu sabia, mas k'agora vinham pu tempe da Vitória, pra mim é nevidade! Nem um berrinhe a sério tinham, tinham um a fingir. Só se na térrinha deles na têm um berrinhe a sério? Pediam, pedir não é rômbar! Têmes cá tantes! Na me digam ke ninguém s'avia d'ofrecer?!
Mas continuande, nestes meus alborkes kenheci uma pikêna munte simpática, numa pastelaria, e conversa p'áki, conversa p'áli já tá! Bumba pra báxe, sem perdão! 
No ôtre dia, kuande ela sôbe k'eu tinha ficade sem competador ofreçeu-se pa kuande eu precizase pa keu lá fosse. E eu agradeci. Mas na goste d'inkemedar ninguém. Não é do mê fêti. E atão optê por ôtra seleção... Kuande ela foi trabalhar, intrê pa janela e levê-lhe o pertátil pa nha caza. Assim, nem ela fica a fazer sala, nem eu tanhe de sair de caza. É melhor pa todes. Não axão?
E prontes é deste pertátil ke tô a falar com vócenzes. Péraí! Tão m'a bater à porta. É melhor inviar já iste na vá o pertátil sê pecize à pikêna! É a peliça! Na me faltava má nada! Já na se pode intrar pa janela de ninguém e levar o ke nes for pecize! Depois na kerem má tempe e Revleções!

Sem comentários:

Enviar um comentário