24 abril 2015

NAZARÉ LUBRIFICA REABRE AS PORTAS


Atão suas kabras maxas? Têm andade a inguelilas ó não? Ó pexó tira ó pexó tira? Xke já tirem belhetes nas vintoinhas e tude! Na ké saber nem m'intressa. Dendes ke se lavem pre baxe tude bem.

Andava mêa praia a pinsar k'erem todes pais da criança da pikena da Pardanêra mas afinal já incontrarem a criatura. Despois de fazerem izames a mê ri de lête incontrarem o triste. Tá safe. Deus kêra ca criança na vanha k'mós gates demuntes pais, tôdes imberregades e mal injórkades..
E pe falar in tristes. E akeles dois na têm vargonha? Ma même sére as menhés não lhes metem o dêde pa verem a pôca vargonha ke têm fête ós intrefólhes. Xkandem tôdes assades. Nunca se viu uma terra assim. Agente sabe késta terra linda k'mó sol tem fama de ter grandes cocózinhes mas assim eu nunca vi. Akeles cêsses devem parcer as bôcas das benecras insseflaveis.
Oiçam cá! Desserem-me na praça. Até digue kem foi. Foi a tonta. A mãe da pikena cazada ku tonte ke me disse ka filha dela vai ótra vez pá cambra. É verdade criaturas do munde?? Atão afinal ganhô ótra vez a xeminé?? É obra! E teve o descaramente de dezer ke kuantes más vierem pá rua más vão pó tribenal ca filha. X'katé os papés dos rabeçades atirem pó xão só pa fazer inxamardê. Já virem iste?
 Kerem ver cus do tribenal tamém forem servides pu service persenalizade dakele pôve?
Atão sende assim vai voltar a abrir a impresa Lubrifika. Xe ke dantes até trabalhavem bem mas despois fexô mas agora pus vistes é p'ábrir ótra vez. Mas será ca kabra maxa s'óguenta? É ke dantes só atendia o kabeçude kuande tinha ordem dir às Caldas. Agora ke já na tem tssã tssã é capaz de dar descanse às pikenas.
Xkaté a Mamadora o dexô. Xke arranjô um cazamente kun pikenezinhe má nevinhe. O ke vale é ke vai à xtrêa.
Tanhe de mir imóra. Fikem pá i. A nha kenhada tem o ómem imbarkáde e tanhe de ser eu a arranjar os canes do bidé. Na liguem a contes e dites. u mê irmão tratasse dos canes ke tem in caza, não era pecize lá ir eu. É ké pecize lá ir tôdes dias dezintepir akile.
O mê irmão kuande vier nem vai kenhecer a canalização do ré de xão. Se na tiver uze apedresse. E tem ke s'abrir as ternêras pa dexar kerrer. Kó senão ganha zebre.
Dexem-se tar paí. E agarrem a torta da mamadora. O cazamente póde ser más um ingane. Mas a torta cómesse sempre. Kemida pe kemida ó mêmes matasse a fóme.
Adeus à lirantas e libartinas.
Á da guarda à destruidoras de fertunas.
Olhem as constepações e na se desfassem do oire tôde, kó senão morrem à feminha.
E se virem o Sante Intrude Cabeçude no medêle na lhe deem impertança. Facem de conta ké um pobrezinhe e comprem-lhe um papasseke. Áde ficar tôde têze. Respêtem os tontinhes. Tá bem? Na se metem com ninguém Kabras Maxas!

31 janeiro 2015

MARXA ALBORKES 2015

 
 
 
Tanhe a sarda xê da arêa
De xfregar nu avental
Apanhê sida câ fêa
Vou xpurtar pó Carnaval.
 
Á prigózes inliadêres
O ke têm fête á xótinha?
Só lá vão com compremides?
Má vale dár isse ó cão com tinha.
 
 
Arrebates pus artêlhes
Trolitadas pus kelhões
Pau pas costas ind'éra pôke
Sua camáda de ladrões.
 
Ózebêras arrombadas
 Em xkerssões ó bataclã
Á Kikas só se dá latadas
E as pikenas?
 Ficarem kus bêces c'mó ma remã.
 
Ingátes na desketeca, estalance no molhe norte
Kés imprêgue krida filha? Despe isse e faz-te à sorte.
 
Era assim k'acontecia ca códrilha do Xótinha
Tá tude xê de doenças só faltô a xcarlatina
 
Calcetêres despedides e impretêres na xparréla
Cabeçudes só amarrádes á pedra da Panela
 
Forem córnes amansades com notas nu avintal
Hoje já tão bem sarrades e us beçes delas c'mó panal.
  
Naftalina mata à traça
Aterdôa o Raul
Cazas, carres e tranêras,
tude págue com sáke azul
E kem viu?
 
O T' Zé e o Pépsse!
 
Má ninguém á ó!
 
 
Pó ane á mais seus kabras maxas!
Ninguém faz uma muzikinha ó prime meus amores?
Olhem ke mó criádes...
 
 


14 janeiro 2015

SÓ SE NA SE VÊ OS FARELHÕES. TÁ LÁ TUDE ATAKES CEBRAIS!


Atão seus aziles inxamardiádes? Inda na tão todes prezes seus mamadores! Xulas! Kabras Maxas!
Ma même sére ninguém os prende ó? Mazu ké ke falta? É pecize gritar à da guarda? É obra!
Anda tude injuáde não anda? O Mamador e a companha dele anda toda kietinha. Só abrem a bôca pa falá d' inxamardês. Mas só eu é ke kere saber o ke fizerem ó denhêre même sére? X'katé há uma impreza a kem na se deve nada cá vê bexcar cadêras e retrates!! Berraxinhes pa cara só o Kim é ke os kria. Levassem mazera o retrate do Inxamardiáde e da Inguelidora d'inguias maxinhas kesses é k'adeviem detar na montra da Praça nos perdides e axádes. Moinantas!
Atão é assim? O Inxamardiáde aparece, côme se na fosse nada com ele, e ele é ke tem razão ó? Mãozinha!!! Atão mãozinha??? Ninguém prende esse monte de xterke?
X'kandarem a xconder denhêr ke na vem nas contas e ninguém faz nada? Só o ilhós é ke foi preze pur andar no pardão em cirôlhas? É obra!
E os faxistas kemenistas na dizem nada? Devem tar na medança da pena...
Deve ser precóza do ingenhêre dos barbigões ke pus vistes tem razão precóza da keda do mure da vargonha. Pus vistes na podem falar preke o faxista kemenista xk'andô a mamar fertunas no restórante com um no Canadá e ôtre no Ógarve. É obra! Kemiem tôdes dias na praia á ó!! Só se mandavem o kemer num taparué pu cartêre!!
Posse pedir ó sô peliça pa prender o amigue inxamardiáde? Faxavor vá lá! Su Sócras vai preze na praia tem d'ir tude na rabana.
Só peçe ó senhor e às almas santíssimas ke do próxime recorde da onda vá tude pu mar abáxe. Tude! Ma même tude! Havera de naxer lapas no miradôre da Pardanêra, tal havera de ser a leva de mar à pinoca.
Não há mê.
Se for pecize eu impreste a rapa pa irem ós farelhões rapar o k'inda sebrô despois de comprar as cazas e os carres. Se fô pecize diguem seus bezêrres.
 




12 novembro 2014

Cagalhões áboiar na frente do mar até rima com Zé Flár (E na tem nada áver ó fará se tivesse)


Atão coisas impertantes viradas ó má tempe? Tude k'mós postes da luz? A saudinha é u ke deus ker né?
Xe ku fedor tá acamáde? É assim atão? Nunca más arranjem o jgôte? Xke na se pedia parár ku xêre ó pé da rampa d'Avenida cu fedor!
Já me desserem ke já passô, mas xke foi uma pôca vargonha este demingue. Na sabem de nada poi não? Façe idéa! Dias intêres a descascar castanhas e só s'alevantem párriar o calhau. Á langonhas! Xulas! Kabras Maxas! Despois na kerem kus cagalhões andem áboiar pa frente do mar á moinantas. Xkerem às mãos xêas os cagalhões na frente do mar. Uma pôca vargonha! Tante pôve ke vem cá ver o mácara e comprar uns tremeçinhes e é assim k'agente os arrecebe? É obra!
Desserem-me ke foi uma desgracia. Xkera tude xê de pôve das áugas com kelêtes amareles e xkaté um trator lá andava pácartar a xterkêra ke lá andava. Ma même sére essa rua na s'indirêta?
Arranjem-me isse pámor deus ku fedor anda a intrar pa caza das criaturas adentre. Peguem numa carreta das fossas e apanhem-me esses cagalhões vadis e amandem-nos palá da foz. Amandem isse pu mar abáxe. Interrem isse n'árêa. Despois kerem palékas jêtozas a passiar no pardão? Mas kem é ke cá vem com tanta xterkêra na frente do mar? Alimpem esses cagalhões k'este preblema já tem más de vinti anes e nada.
Numa terra em k'inda á merdátona só lá vai com pontapé pa ...... selarêta.
 
 


01 outubro 2014

MAS KEM É KE AKERDÔ US URSES?


É kangares ves desse pas armélas! Desserem magora kus urses sairem todes da toca. è verdade? Xe ke tavem todes a ibernar ó kié? É pecize tê lata. Ma même sére já acabô o kemêr? Xe ke tinhem imigrade.
Pus vistes já imagrecerem essas barrigas inxadas de tante kemer á ó! O Santintrude já me desserem kanda xepáde da pulga  mas os ôtres x'katé tão xês kmó paxá. Era bom néra? Inxer as ózebêras e ficar a dever a tude e a tôdes. Até a mim me deviem seus xês de lixe. Mas inda kerem más kemer. Pus vistes na xigô. E eu a pensar ke tinhem ide ku patrão ó Talon afinal é só gordes medonhes kinda na perderem o tssan tssan. É obra! 
O Santintrude pus vistes tem ajuntade a companha i preparasse pa ir ó mar com manentas e pernetas, cabriolas jburacadas e até o gorde depois de vir pó mê da rua já abre a guela. Mas onde é keste pôve andô xês de xterke?! Kuande arrecebiam fertunas é ke tava bom néra? Xulas! Kabras Maxas! 
E o sitêre veja mazé se manda prinder este pôve. Kemenikades... Agora kemenikades! Tires pus pêtes e baldes de xterke pa cara indéra pôke. Isse é kiéra! Mijem-lhes pa riba deles.
Tude pá gaiola kus mamadores de denhere e de xótinhas parece k'inda na se canssarem. Só o triste do paléke é ke foi pu mar abáxe e nunca más arribô. 
Urses? Sim senhora. Urses só no cirke... E ó longe. Xta cão! 
Kié? Ó felhó, o cú da tu avó. 

Vejem é se na matem o Santintrude de bejinhes e abraçes. Olhem ku ómem já na tem força nos rinzes párrebentar com duas e três pe dia. Agora só se for à vez ó intão cájuda duma cabaça. 
Dêxem-se tar pái keu tô paki. Ai seu mandasse. Tavem bem intregues. 

22 fevereiro 2014

ALBORKES 2014 - (SEM ESPEGANCES)





MARXA ALBORKES 2014

Congelô u matarruâne
Tá cus bêces c’mô panal
Alcuentre é capital
E rezidência ofecial


Mandô vir um telefériu
 20 kelxões molaflex
Deu balhe delas a sério
Foi até xfelar o intrépss


Á seu fê, seu mal trajôze
Já na compras nenhum fáte
Abre a boca seu guelôze
Pa t’arrancar a língua…
 cas pontas dum alicate


Sake de córnes num alguidar
É menu especial
Manda vir, tá tude págue
Pága o corne? Na fá mal


Cazas em Pataias, na Vitória e em Cascais
Já só falta ter uma horta… com vista pa Fanhais

O jagunce já tá rike cu denhêre da gatenagem
Té fez um implante… pa compor a pintelhagem

REFRÃO
Gabões pa cara
Rexiades com lête creme
Caguêre arrebentade
à vez na caza du leme


Amarrade pum pé e abeçade ó pé de gále
Aguarraz no cesse dá recorde mundial
Um dia a gente vê-se pa te dar um inkestinhe
Hádes impranhar de mim um rike cazalinhe

A pikêna vai ser Márina, o pikêne Camarita
Kem será a partêra do Hospital Israelita?
O filme tá fixe só k’ inda nem kemecô
Xcarretas pa cara foi a receta do sô dotor… Diôgue.



Letra: Zé Velhake
Múzeca: Uma cóker dos Los Fugitivos

11 janeiro 2014

Kual Ódituria kol kê! Iste só Lá vai com Conta Kilómetres

 
 


Ó tempe ke já na vinha a esta terra impertante! Akuaze ke já na sabia falar à mó da praia, á ó!
Desta vez fui kum prime matezenhêre pó mar da França e da Inglaterra. Assim sim! Kem kizer fazer dietas agora tá acamáde... Não há nadinha ke páre no xtômague. É pior k'ákelas pikenas tizecas da moda. Inda não intrô já tá a sair.
E pe falar em intrar e sair. Mas ke conversa é esta ke pái s'ôve d'óditurias ó kié? Mas indé pecize más óguma coiza? A rabana e uma corda pós amarrar a todes no penhal. Agora óditurias... Os tristes ke pa lá tão agora ke xamem mazé a peliça, mas xamem a verdadêra não é os bidés xês de micózes no cesse ke pái andem.
Mal xiguê e a pessenagem ke vi lógue foi o Sant'Intrude alés. Tanta criatura ke me pedia aparcer à frente e tinha de ser lógue akele azile. Caguê lógue um pé tôde. Ma même sére ninguém o ógema e manda pós Farelhões adonde arrecadô os melhões, même no mê dos kelhões?
Na fassem o k'eu ves digue e vão parar perte. Mêtem mas é um conta kilómetres nas passolas do gáde brave ke pus vistes inda na foi pó abate. Essa é ôtra. Mas prakié ke kerem tanta carrne de vaca velha na Cá d's Pescadôs? Pa fazê xanfana? Nem sê se praísse prestem... É carne munte amassada. Só se for pa fazer amburgas. E os restes intreguem mazé ós cães, antes kóguem s'ingasgue.
Óvirem? Conta kilómetres nas passarolas. Despois diguem k'eu não avizê. Adeuzinhe. Vô-me inssaiar à moinante pa ver se me calha, na digue uma vaca ó uma cabra, mas ó menes koké coiza p'akecer o pecêbe, cóssenão fike cum brace má grosse có cornes da Dotôra.
 
Na se xtraguem, olhem có senão inda morrem com óguma pneumenia e os kevêres andem munte apkentádes e na têm tempe pa fazer buraques. Até preke buraques é o ke pre cá na faltem. A mim é ke na me calha nada. Não há-de ser nada. Tamém já acabo a urbana pá Kikas. Despois na kerem kum gaje imigre.
 
Vá! Vão pa setenta. Xta cão e ssta gáte!
 



03 dezembro 2013

É só cagalhões? Nem um cadinhe de sultura?


É pecize tê lata numa terra destas linda k'mó sol e xêa de xérifes e kemandantes, ladrões e kemilões, palháces e refilões e xótinhas sem travões e más coizas treminadas em ões. 

Ma même sére este pôve na tem vargonha na cara? É obra. Mas este pôve arrebetô cuma terra e même assim inda p'ái anda de fate intêre e barba fêta a dezer k'afinal o cagalhão é ke tinha a culpa e xke na sabiem de nada? Olhem ke na vem a rabana, á ó.

Pus vistes a sêta na bastava o xtrague ke já tinhem fête c'agora forem pá merdátona. Só se na sabem cum cagalhão só s'aguenta à tona su kemer for fajuada. Na merdatóna. Más um bárke arrombade k'agora vai ser afundáde.

Á migues na se ponhem à tabela e essa gatenage inda arrebenta ca onda do Má Cára. Xkaté os recifes conseguirem interrar. Kem interra os recifes interra tude. 

Sabem o ke dezia o Pilinhas? Kerem um bom concelhe? Pergante pa boca abáxe é o kié. Ó mênes têmes a certeza ke na saem más cagalhões. Antes sultura e os bêces àssebiar do ke cagalhões. Xta cãos

Correm, correm mas só se for pa lá das bóias cuma lagacêra de rabioza kús avéra de levar pa lá da Figuera c'mó Raul. Pe falar na pecenagem: Áviva! Abre o ôlhe e solta o cagalhão k'inda p'aí anda. Aprevêta, limpa o cêsse e descarrega o ótoclisme e vái xpurar os Rês pa lá da foz. Hádem fazer uma rica pecissão.

03 novembro 2013

Berraxinhes pa cara ninguém ker?


É pecize tê lata! Ma même sério esta gente de fóra só cá vem pa ser amassada? Olhem k'agora vem gente do fim do munde pa ser derretide c'má banha.É pecize ter lata. Se fosse da praia era tonte, mas é de fora tá tude bem.
Dantes eu alembra-me dos fercádes ke levavem com paus de barraca pa cabencla mas agora a onda é ôtra.
Até as pikênas alés! Numa terra onde elas já são amassadas e estrafegadas de todas as manêras e fêtís agora tamém vêm brazilêras pa serem dezancadas. Não é ke na gostem, habituadas a isse tão elas, e pre menes de cinke aérius, até fazem coizas benitas e impertantes. Mas eu diste nunca vi: Uma pikenazinha ápanhar barbêres akuaze do tamanhe dos rés de xões do Bairro dos Pescadôs. É obr'áó!
Xe ke despois d'apanhar akela matelona andô árrelar pa borda d'áuga. Até aki tude bem, não era a primêra nem áde ser a última. Mas ódespois xke precóza da pezição partiu uma perna. Tamém já cá aconteceu. Alembram-se dakela pikêna ke xkerregô kuande o kenhade lhe tava a tirar uma berbulha das vrilhas? Foi o même resultade. A difrença é k'a perna partida foi precóza da órrexada ca irmã lhe deu. Mas isse já ninguém s'alembra...
Pa terminar foi passar o dia a uma cama pa Lêria. Aki tamém não há nevidade. Kuantas pikênas desta terra linda k'mó sol já se xticarem ó compride in Lêria? E se fosse só in Lêria tava tude descansade e benzide...
P'ácabar ficô atarduada e adermeçeu kum trómatisme ucraniane precóza de ter metide áuga acamada pa boca abáxe. Aki a coiza já é difrente. As pikenas desta terra linda c'mó sol peferem inguelir ôtras coisas ke fazem ter os ólhes má benites.
 Antes de m'ir imóra pá batota xfelar dois ó três palékes só cria dezer a este pôve pa ficar in caza. P'ápanhar perrada falem co Zé Prête k'ele trata disse e xcuzam de sair do Porte d'Abrigue pa gastar gazól.
Berraxinhes pa cara ninguém quer poi não? Latadas pus bêces ind'era pôke.


05 outubro 2013

É ASSIM ATÃO? TUDE PU AR! OLIÓPSSE.


Sabem por onde eu andê criaturas malinas? Pu Benim. É obra! Não é Berlin, catâne. É Benim ke se diz! O Berlin é ôntra terra xêa de faxistas e ke devem tar injuádes k'má pardela. E eu ralade.
Olhem s'eu sabia k'avia uma terra xamada Benim!
Se xkentamentes, moscas e sidózes tivessem tante valor k'mó dólar, o Benim era má rike có Dubai. Ólarilas. Mas côme não é, nem luz tinha akuante más intrenet.
Akuaze uma semana a kemer rissóis e merrer cu calor e cu xêre a catinga. Já na m'apanhava in terra.
Mas ó perte o Benim até é parcide ca nossa terra linda c'mó sol. Se fossemes todes dos trolitêres até os prêtes nes xamavem prêtes...
Mazé assim atão? Partirem tude às criaturas? Inda dizem eles ke kerem dar impregues ó pôve. Só cus mamões ke lá tavam à babuje na xega um Centre d'Impregue pa tante gade.
Foi atão seguide e cor. E intrô o batutêre! Mas esse é normal, já kenhece as regras pó bem e pó mal. Na pardoa.
Kem deve tar ainda em jajum são os Espegades ke pensavem k'iam mandar e afinal ficarem foi a mamar...
E o Capitão Pêrinha. É obra! Tinha ele já tude arranjade ku Cagalhão pa ir pós barkinhes e afinal foi apanhar áuga cum bartidor rôte.
Dus ôtres tôdes só vale a pena falar da pikena dos faxistas. Fazia dela um xenéle. Ó ela a mim, lógue s'avéra de ver.
Na pude foi ver as caras d'interre dos mamões. O k'eu pagava pa ver a perrada surda e as abelâncias a xigar.
Agora os da mãozinha na se eskecem. Façem k'mós ôtres k'ão-de ir parar perte. Olhem k'isse não é um carrossel pa dar voltinhas. Áviva!
Dexem-se tar páí ke vôn agora levar uma bacina pó xkentamente, ke ton tôde ardide. Se na duesse tante até era capaz de m'abituar a ter um xumbéu de cavále.
Mas ton confermade. Há agora kem tanha mas partes arder e na se kêxa.
Kuande aí xigar dexem ó mênes um cadinhe da prainha. Tá bem? Vá lá ver. Fassem óguma coiza pe vocezes abáxe.